As dez regras para ser feliz até aos 100 anos, segundo os japoneses

As dez regras para ser feliz até aos 100 anos, segundo os japoneses

Dois espanhóis foram à uma aldeia japonesa em Okinawa, conhecida por ter o maior índice de longevidade do mundo e aprenderam 10 regras para a felicidade.

A maioria das pessoas sonham em ter uma vida longa e com saúde. Qualidade de vida é outra coisa que almejamos, assim como mais tempo para dedicarmos à nossa família e amigos. Por estes motivos, o cuidado com o corpo e com o estilo e vida tem sido assuntos cada vez mais abordados pela mídia e cada vez mais presentes nas conversas do dia a dia.

No Japão, mais precisamente em Okinawa, há um pequeno povoado chamado Ogimi 大宜味村, conhecido pelo grande número de centenários. A fim de desvendar os segredos desses habitantes tão longevos, os espanhóis Héctor García e Francesc Miralles foram até a aldeia e essa experiência foi registrada no livro “Ikigai – Viva Bem Até aos Cem”.

No livro, os espanhóis contam os segredos que descobriram junto aos anciãos da aldeia. Afinal, qual é a receita milagrosa para que os moradores de Ogimi tenham uma vida tão longa, saudável e feliz? O ikigai (生き甲斐), com certeza faz parte dessa receita e consiste em ter uma “razão para viver” ou “um motivo para se levantar todos os dias de manhã”. 🙂

Mas claro que esse não é o único segredinho da longevidade dos anciãos de Ogimi. A boa alimentação e o estilo de vida também estão na lista. Confira 10 dicas:

1. Mantenha-se ativo

Até que a saúde os permita, os japoneses continuam trabalhando em atividades que lhes façam bem e tragam conforto. “Quem abandona as coisas que ama e sabe fazer, perde o sentido da vida”, escrevem os autores. O fim da vida laboral “oficial” não deve travar-nos de “fazer coisas que tenham valor”, “se dedicar a um hobby” e “dando forma ao nosso pequeno mundo”.

2. A calma deve imperar

O estresse é uma das maiores causas do envelhecimento. Em Okinawa, as pessoas sabem organizar seu tempo de forma eficiente e com isso costumam levar uma vida sossegada. A pressa, segundo García e Miralles, é “inversamente proporcional à qualidade de vida”. “Quando deixamos para trás as urgências, o tempo e a vida ganham um novo significado”.

3. Não coma até ficar cheio

As refeições dos habitantes da Vila de Ogimi são ricas em peixe, legumes, tofu, batata-doce, etc. Além da alimentação saudável e do baixo consumo de sal, há outro fator que contribui para a boa saúde deles: O hábito de parar de comer quando estão 80% satisfeitos. Segundo estudos, o cérebro demora 20 minutos registrar que o estômago está cheio.

Além de pararem antes de estarem completamente saciados, os japoneses costumam comer em pequenos pratos para evitar excessos na alimentação. Com isso, o corpo não sofrerá tanto desgaste para digerir tanta comida e nem estaremos ingerindo calorias em excesso a cada refeição que é o que acaba acontecendo quando comemos movidos pelo impulso.

⦿ 7 Segredos de longevidade do povo japonês

4. Tenha bons amigos

Amigos verdadeiros são as melhores coisas que podemos ter na vida. São como um remédio que nos ajudam a esquecer as preocupações e nos apoiam nos momentos mais conturbados das nossas vidas. Ao lado deles, podemos “contar e ouvir histórias que nos façam sorrir, pedir conselhos, nos divertir juntos, compartilhar sonhos, … enfim, viver”.

No Japão, as comunidades criam associações para que os habitantes estejam mais próximos uns dos outros e possam praticar atividades juntos, criando um forte vínculo de amizade e cooperação entre eles. O sentimento de segurança que a amizade proporciona, contribui para uma maior satisfação pela vida e evita doenças tais como a depressão.

5. Esteja próximo da natureza

“Fomos feitos para nos fundirmos com a natureza”, garantem os dois autores. E precisamos estar em contato com ela regularmente, a fim de recarregar as “baterias”. Pra você ter uma ideia, existe até uma terapia muito famosa no Japão chamada Shinrin-yoku (森林浴), que consiste em um “banho de floresta” para relaxar e repor as energias vitais.

Boa parte dos japoneses também gostam de cultivar hortaliças e flores no seu quintal e esse hábito ajuda a ocupar a mente e ajuda também a fortalecer esse vínculo com a natureza.

⦿ Os 100 Sobrenomes Mais Comuns de Okinawa

6. Sorria

Maemuki é uma expressão japonesa que significa olhar para frente, ser positivo em relação a tudo que acontece a nossa volta. Mesmo nos momentos mais obscuros, é importante não esquecer que a vida está sempre em constante mudança. Não há mal que dure para sempre, não há tristeza que não finde. Por isso, procure celebrar cada minuto da sua vida.

E não esqueça que o sorriso é uma arma poderosa, capaz de desarmar até os nossos piores inimigos. Manter o sorriso cosntante nos lábios também nos ajuda a estabelecer relacionamentos mais amistosos e nos incentiva a encarar a vida de uma forma mais relaxada e feliz.

7. Faça exercícios físicos

Desde a mais tenra idade, os japoneses são incentivados a praticar atividades físicas nas escolas e esse hábito se estende até a vida adulta e terceira idade. Como sabemos, o exercício físico proporciona qualidade de vida e é importante para manter a saúde do corpo, além de ajuda-lo a produzir hormônios que trazem sensação de bem estar e felicidade.

O uso da bicicleta na vida cotidiana, as caminhadas pelos parques e as reuniões nas comunidades para a limpeza do bairro, eventos recreativos, ou ainda para a famosa ginástica matinal, o radio taiso, ajudam a preparar o corpo para mais uma nova jornada.

8. Seja grato pelo que tem

Além do costumeiro agradecimento antes e depois das refeições, os habitantes de Okinawa sabem da importância de “ser grato”. Por isso, costumam reservar um momento do dia para para agradecer as bençãos que recebem. “Ter consciência da inconstância das coisas não deve nos entristecer, mas nos ajudar a amar o presente e as pessoas que nos rodeiam”.

“Dedique um momento do dia para agradecer e a sua felicidade aumentará”. Mas a que ou a quem devemos agradecer? Aos antepassados, à natureza, à família, aos amigos, ou seja “a tudo que ilumina o seu dia e que faz você sentir-se feliz por estar vivo”.

⦿ 43 maneiras de dizer obrigado em japonês

9. Viva o momento

No Japão, existe um provérbio que diz assim: “Ashita wa ashita, kyo wa kyou” (明日は明日, 今日は今日), ou seja, “Amanhã é amanhã, hoje é hoje”. Esse provérbio já explica tudo. Precisamos viver um dia de cada vez. Sem nos dar conta, acabamos deixando de viver muita coisa legal sempre que nossa atenção se volta inteiramente para o passado ou para o futuro”.

Viver o momento presente com intensidade, nos permitindo experimentar coisas novas sempre que possível, deve ser prioridade em nossas vidas. Agindo assim, nos ajudará a levar a vida sem tanto estresse, além de evitar que nossa vida caia na rotina, na mesmice.

10. Siga o seu ikigai

Ter uma razão para sair da cama todas as manhãs é indispensável para sermos felizes. Dar um sentido à nossa vida nos dá motivação pra continuar vivendo com alegria e intensidade, mesmo após aposentar-se. Busque um hobby, uma ocupação que faça fluir sua criatividade. Todas as pessoas tem dentro de si, uma paixão, um talento que pode e deve ser explorado.

Se você ainda não encontrou, não se preocupe. Nunca é tarde para buscar essa motivação dentro de si. Mas para isso acontecer é preciso olhar profundamente para dentro de si mesmo. Só assim conseguirá encontrar o seu Ikigai, ou seja, o seu propósito de vida.

Fonte: Renascença

Quer Aprender Japonês?

  • skyvolt

    Muito interessante a forma de ver e de viver dos japoneses. Mas eu acho que muito disto é praticado em vilas e cidades pequenas e pelos mais idosos, não é não? Eu vejo falar muito que os japoneses em Tóquio principalmente, trabalham demais, não tem quase que final de semana algum, e se sentem desonrados quando não dão conta do trabalho e altos índices de suicídio. Isto vai meio que de encontro ao texto desta matéria.

    Mas mesmo assim ainda me surpreende a cultura japonesa. Algumas culturas asiáticas na verdade. Me surpreende tb toda essa tradição que eles criaram e que não tem muito a ver com a China. Interessante pq o Japão, pelo que li por aí, a muito muito tempo atrás foi “colonizado” pela China. Ou estou totalmente errado?