Bichos de estimação imortalizados em forma de diamantes


No Japão, cinzas de animais de estimação são transformados em jóias
Já imaginou um dia, você transformar os restos mortais do seu bicho de estimação em uma joia? Essa prática existe e já ganhou bastante popularidade em diversas partes do mundo, inclusive o Japão. Afinal, um país onde até os Pet Cafés fazem sucesso, por qual motivo o Pet Memorial Diamonds, não iria fazer não é mesmo?

Muitas empresas estão surgindo nesse novo segmento como o Dna 2 Diamonds, dentre muitos outros, mostrando ser realmente um negócio muito lucrativo. O processo para a transformação em diamante ocorre da seguinte maneira: O pelo é levado à alta temperatura para que seja transformado em carbono e é com essa matéria prima que será feito o diamante.


A ideia é imortalizar os animais de estimações, os quais os donos tem um grande apreço. Afinal, um diamante dura para sempre … Mas não pense que só o seu amor pelo companheiro felino ou canino bancará a joia. Uma pedrinha pequenininha não sai por menos de 3 mil dólares.

Mas, para quem não tem condições, não se preocupe… existem outras formas mais baratas de tornar seu amiguinho imortal. Uma empresa de Shiga por exemplo, a L-Born, se inspirou em uma novela japonesa chamada Namida Tsubo de Junichi Watanabe, onde um homem misturou as cinzas de sua esposa, vítima de câncer, com barro e transformou-o em um lindo vaso.

Dessa forma, o esposo, poderia sempre lembrar-se dela, quando olhasse para o vaso. Muitas pessoas podem não gostar e até achar mórbido, mas de qualquer forma, é um grande mercado em expansão e que ainda será muito explorado, especialmente no Japão, onde é comprovado a grandiosidade das relações afetivas dos japoneses por animais de estimação.


Segundo algumas estimativas, quase 30 milhões de animais de estimação vivem nos lares japoneses, e são de grande importância especialmente aos idosos, como animais de companhia. Isso explica como a demanda em relação à tudo ligado aos pets vem crescido nos últimos tempos.

Akemi Imai, dona do L-Born, diz que sua empresa sempre trabalhou com barro e cerâmica. Foi somente após o pedido de uma amiga, influenciada pela novela, que Akemi percebeu o novo mercado e a boa oportunidade de ganhar dinheiro que se abria à sua frente.

Desta forma, resolveu investir e passou a divulgar, e hoje sua empresa já é requisitada para esse tipo consumidor, onde ela produz de forma artesanal, acessórios de moda, como colares, pulseiras e até outros objetos como porta retratos, luminárias, dentre outros, dependendo do desejo do cliente.

A empresa também pode fazer um “jizo”, ou seja, uma pequena estátua de barro e cinzas, com a aparência do bichano, que é colocado dentro dos pequenos templos japoneses em casa. Akemi diz que a jóia serve como um memorial, ou seja uma maneira do companheiro canino ou felino, ficar com o seu mestre para sempre.


E você? Teria coragem de transformar as cinzas do seu bicho e companheiro de estimação em joia ou em algum objeto para imortalizá-lo? Deixe sua opinião!

Quer Aprender Japonês?

8 Comentários

  1. Pingback: Morre cão mais velho do mundo no Japão | Curiosidades do Japão

  2. Nathalia

    Eu acho que transformaria, pra ter ele pra sempre comigo com medo de perde-lo, mas não sei se o transformaria em um diamante, poderiam roubá-lo.

  3. Pingback: Bowlingual e Meowlingual - Tradutor portátil para cães e gatos | Curiosidades do Japão

  4. Pingback: Túmulos high tech usa códigos QR | Curiosidades do Japão

  5. Burajirumomotarou

    Acharia legal mesmo poder transformar os meus pais que já foram embora em pedras preciosas (pois dentro de mim eles sempre serão preciosas!!
    Assim teria eles sempre comigo e com os meus sucessores .
    Acho melhor do que sepultar-los e virar comidas de será oque né!!

  6. Pingback: Adoráveis cães em trajes de quimono | Curiosidades do Japão

  7. Pingback: Bolo de Aniversário Bom Pra Cachorro | Curiosidades do Japão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *