Conheça 10 belas canções da diva do J-Pop, Namie Amuro!

Namie Amuro best songs

Namie Amuro (安室奈美恵) é uma das mais populares cantoras pop do Japão e de maior sucesso de todos os tempos. Ela também é conhecida como a Rainha do Hip-Pop japonês. Apesar de todo o sucesso, a vida de Namie Amuro foi marcada por diversos eventos trágicos e reviravoltas, cujo enredo seria digno de um excelente filme dramático.

Este ano, a cantora completou 40 anos de idade e anunciou que vai aposentar-se setembro de 2018. Resolvemos então fazer um apanhado de curiosidades sobre a cantora que já tem 25 anos de trajetória. Além de conhecer um pouco da sua história, você ainda terá oportunidade e conhecer (ou rever) alguns dos hits que mais fizeram sucesso em sua carreira.

Infância de Namie Amuro

Namie Amuro nasceu no dia 20 de setembro de 1977, em Naha, Okinawa. Sua mãe era mestiça de japonês e italiano. Ela e seus três irmãos foram criados somente por sua mãe, Emiko Taira, que se divorciou de seu pai quando ela tinha apenas quatro anos.

O primeiro drama (de muitos) da sua vida já começa na infância como podemos ver. Sua mãe tinha que trabalhar duro para sustentar os filhos e por isso tinha dois empregos. De dia, trabalhava como em uma creche e de noite era recepcionista em um bar.

Sua mãe, Emiko Taira, escreveu um livro em 1998 intitulado “Promessa: Para minha filha Namie Amuro”. No livro, Taira fala sobre a relação com sua filha famosa e também sobre sua vida pessoal, incluindo o divórcio e os maus tratos que sofreu pelo pai de Namie.


A walk in the park – Namie Amuro (YouTube)

Início ao estrelato

Quando criança, o sonho de Namie era tornar-se uma aeromoça. No entanto, seu talento para a música foi descoberto aos 12 anos por Masayuki Makino, diretor da Escola de Atores de Okinawa. Como não tinha dinheiro para pagar, Makino ofereceu-lhe uma bolsa de estudos.

Depois de dois anos, aos 14 anos, Namie entrou em um grupo musical Super Monkey’s junto com outras cinco garotas, sendo que uma delas era a filha de Makino. Elas lançaram seu primeiro single em 1992 e no ano seguinte, o grupo mudou-se para Tóquio para assinar um contrato com a gravadora Toshiba EMI, apesar da mãe de Amuro ser contra.

As Super Monkeys não tiveram muito sucesso, com algumas integrantes saindo e outras entrando no grupo. No entanto, a popularidade e o carisma de Namie se sobressaia entre as demais. Não demorou muito, tornou-se a líder do grupo que passou a se chamar “Namie com Super Monkeys”. Ou seja, as outras integrantes foram rebaixadas a backdancers.


Try me; Stop the music (YouTube)

Carreira solo

Em 1995, o grupo lançou o single TRY ME ~Watashi wo Shinjitte~, produzido por Max Matsuura. O single foi o primeiro e último do grupo a chegar ao top 10. Em seguida, Namie assinou contrato com a gravadora Avex Trax, onde embarcaria em uma carreira solo.

Seu primeiro single solo “Body Feels EXIT” foi produzido em parceria com o produtor Tetsuya Komuro. Dois meses depois, ela lançava seu segundo single “Chase the Chance”, sendo seu primeiro single (de muitos que estavam por vir) a vender um milhão de cópias.

A partir de então, sua popularidade entrou em uma crescente, embalando um sucesso atrás do outro e vendendo milhões e milhões de singles. Chegou inclusive a participar de dois filmes, além de ganhar um lugar no prestigiado programa de Ano Novo “Kouhaku Uta Gassen”.

Para muitos, Namie Amuro poderia ser apenas uma “febre passageira”, mas o tempo provou que não. Após 25 anos de carreira, Namie é considerada uma das mais consagradas cantoras J-Pop, e aos 24 anos de idade já era chamada de a Rainha do Hip Hop japonês.


Don’t wanna cry – Namie Amuro (dailymotion)

Casamento e divórcio

Em 1997, Namie ficou grávida aos 20 anos e casou-se com o então namorado Masaharu Maruyama (Sam), que tinha 35 anos. O fato dela e de outras celebridades da época estarem se casando grávidas, fez nascer a expressão “dekichatta-kon” ou simplesmente “Dekikon” em referência aos casamentos que ocorriam em razão de uma gravidez não planejada.

Ela deu à luz a um menino a quem deu o nome de Haruto em 1998. Em homenagem ao filho, Amuro fez uma tatuagem com seu nome em seu braço esquerdo. Para se dedicar ao filho, Amuro fez um hiato de quase um ano. Seu casamento com Sam durou menos de cinco anos e assim como sua mãe, Amuro acabaria por divorciar-se e ser uma mãe solteira.

Muitos tabloides relataram que família de SAM não aprovava o casamento e acredita-se que essa seja um dos principais motivos para a separação. A família era dona de um hospital bem sucedido em Saitama e três dos irmãos de SAM eram médicos. Apesar de ser uma estrela do showbiz, a humildade e simplicidade de Namie, criada sem luxo por sua mãe, incomodava-os.

O seu casamento pode não ter sido bem sucedido, no entanto sua carreira ia de vento em popa. Em 1996, ela recebeu o prêmio Grand Prix, o maior prêmio da premiação Japan Record (equivalente ao Grammy de melhor música) por sua música Don’t wanna cry. No ano seguinte, em 1997, ela lançou o single que consagrou sua carreira: CAN YOU CELEBRATE?.


Can You Celebrate (YouTube)

Carreira consolidada

CAN YOU CELEBRATE? vendeu 800 mil cópias em sua primeira semana. Segundo a Oricon, este foi o single mais vendido de uma cantora solo entre 1996 e 2005. Até 2008, foram mais de 2 milhões de cópias vendidas. Esse hit também a fez ganhar novamente o prêmio Grand Prix.

No verão de 1997, Namie Amuro fez uma grande turnê pelos “quatro domos” (quatro grandes estádios de baseball, famosos no Japão), logo após o lançamento do single “How to be a Girl” e do álbum “Concentration 20”. Em 1998, Namie se voltou mais para o estilo R&B com influência gospel, como podemos notar em seu single “RESPECT the POWER OF LOVE”.


RESPECT the POWER OF LOVE – Namie Amuro (YouTube)

Tragédia Familiar

Namie Amuro best songs

Por uma horrível coincidência ou não, no mesmo dia que lançava “RESPECT the POWER OF LOVE”, Namie recebeu a notícia que sua mãe havia sido assassinada em Okinawa, pelo seu próprio cunhado, Kenji Taira. Sua mãe estava acompanhada do marido, padrasto de Namie, quando o cunhado atacou-a com um machado. Seu padrasto sobreviveu ao ataque.

Logo após assassiná-la, Kenji Taira, suicidou-se, levando com ele o segredo por trás do crime. Namie cancelou toda sua agenda de shows e voou até Okinawa para identificar o corpo da mãe e estar com a família dela. Na época, houve muitas especulações sobre a morte de sua mãe, onde foi cogitado uma possível traição conjugal e até mesmo envolvimento com a máfia.

Outros acreditam que o assassinato pode ter sido motivado pela fortuna de Namie, que supostamente sua mãe Emiko se recusava a compartilhar com o resto da família. O motivo, na verdade, ninguém sabe ao certo, mas acredita-se que o assassinato foi causado por “maus conselhos de relacionamento” que Kenji Taira recebeu de Emiko e seu marido.

Namie, como era de se esperar, ficou abaladíssima com a morte da mãe e novamente fez um hiato em sua carreira. Chegou inclusive a cogitar em abandonar definitivamente a carreira artística. No entanto, ela recebeu milhares de cartas com palavras encorajadoras de seus fãs, o que fez Namie desistir da ideia e prometer voltar assim que se restabelecesse.

Após o incidente, Namie raramente cantava “RESPECT the POWER OF LOVE” devido às lembranças daquele dia fatídico. Ela chegou a fazer uma tatuagem em homenagem à sua mãe no braço esquerdo, acima da tatuagem do nome do seu filho, no entanto, removeu tempos depois, provavelmente porque havia se conformado com a morte de sua mãe.


ALL FOR YOU – Namie Amuro (YouTube)

Fenômeno Amura

Nessa época, o sucesso de Amuro já alcançava não somente o mundo da música, mas também a cultura fashion japonesa. A pele bronzeada, o cabelo pintado, minissaias e botas, foram imitadas por toda uma geração de garotas no Japão, chamadas de “Amuraa” pela mídia.

Acredita-se que o “fenômeno Amura” também influenciou a criação da moda Ganguro, popular nos anos 90. Ela também era muito adepta a tatuagens, que como sabemos é considerado um grande tabu no Japão, muitas vezes associado a criminosos e a máfia japonesa. Por este motivo, não é raro encontrar fotos dela sem as tattos, retiradas por edições de imagem.

Segundo dizem, Namie foi a primeira idol a fazer tattoos, sendo a primeira delas, um código de barras com sua data de nascimento, feita na Jamaica. Depois ela fez as tatuagens em homenagem ao seu filho e sua mãe. Em 2010, fez outra tattoo com a frase “Peace Love World”.

Além disso, criou várias tendências de moda na década de 90, como minissaias cheias de babados, botas com salto alto, cintos enormes cheio de correntinhas e coisas penduradas para disfarçar a falta de curvas, além do cabelo quase até a cintura, sua marca registrada.


Naked – Namie Amuro

Um novo ciclo

Namie Amuro best songs

Após a morte de sua mãe, Namie lançou o single “toi et moi”, música-tema de Pokémon: The Movie 2000. Esta música contrastava com a maioria dos seus trabalhos, com uma pegada bem R&B “Urban”, que era a direção que Namie queria tomar a partir de então.

Em seguida, ela lançou o single “SOMETHING ‘BOUT THE KISS”. Este single foi escrito e produzido pelo produtor americano de hip-hop/R&B, Dallas Austin. Além disso, Austin e Tetsuya Komuro produziram juntos o álbum GENIUS 2000, lançado em Janeiro de 2000. O álbum estreou em primeiro lugar, mas não conseguiu vender um milhão de cópias.


SWEET 19 BLUES – Namie Amuro (YouTube)

No início dos anos 2000, o produtor Tetsuya Komuro havia sido abordado pelo primeiro-ministro japonês, Keizo Obuchi, para compor uma canção que falasse sobre “paz e harmonia” para a 26ª cúpula do G8 que iria ser realizada em Okinawa em julho daquele ano.

Namie Amuro foi escolhida para ser a intérprete da canção, especialmente por suas raízes okinawanas. Os dois foram convidados a se apresentar na cúpula do G8. O resultado foi a canção “NEVER END”, que vendeu mais de meio milhão de cópias.


Never end – Namie Amuro (YouTube)

A carreira de Namie pode ser dividida em duas eras: As baladas dançantes com influência do Eurobeat dos anos 90 e o estilo “hip-pop” que marcou sua carreira no século XXI. Em 2002, Amuro entrou de cabeça no cenário musical do R&B japonês, onde ela trabalhou com vários produtores de R&B e hip-hop do Japão e produtores americanos Dallas Austin e Full Force.

De 29 de Novembro de 2003 a 15 de Maio de 2004, ela se apresentou em vários países da Ásia com a turnê “So Crazy Tour”, entre eles Seul (Coreia do Sul) e Taipei (Taiwan).


Want me, Want me! – Namie Amuro (YouTube)

A guarda do filho

Após o divórcio, Haruto ficou sob custódia do pai. O tribunal argumentou que SAM tinha um horário de trabalho mais estável e, portanto, tinha mais condições de cuidar da criança, na época com 4 anos de idade. Isso foi um golpe duro pra Namie, que ainda recebeu críticas da mídia onde a acusavam de ter abandonado o filho em prol da vida artística.

No Japão, guarda compartilhada é algo muito raro de acontecer, e mais raro ainda é o pai ficar com a custódia de um filho. No entanto, SAM iria se casar novamente e Namie temia não ver mais o filho. Mais um vez tentou reaver a guarda de Haruto, o que conseguiu em 2005.

Nessa mesma época, ela lançava o single WANT ME, WANT ME e se preparava para lançar os álbuns “Queen of Hip-Pop” e a coletânea “BEST FICTION”, que foram grandes sucessos.

Como sabemos, a vida de uma celebridade costuma ser agitada, mas Namie estabeleceu restrições ao trabalho para que pudesse se dedicar ao seu filho. Ela acordava todos os dias às 6 da manhã para preparar o almoço (obento) para ele. Namie também fazia questão de sempre que possível buscá-lo na escola e viajava com ele quando conseguia férias do trabalho.

Há poucas informações sobre o filho de Namie, uma vez que ela sempre procurou preserva-lo dos holofotes da mídia. O pouco que se sabe é que na infância, Haruto frequentou uma escola internacional em Tóquio e no ensino médio, uma escola japonesa especializada em língua inglesa. Agora, aos 20 anos, Haruto frequenta uma universidade de prestígio.

É surreal acreditar que Namie já tem um filho adulto pois sua aparência parece ser a mesma de 20 anos atrás. Há ainda rumores de que Haruto teria herdado seu talento musical, compondo músicas e praticado aulas de dança e canto.” Com a iminente aposentadoria de sua mãe, seria muito gratificante para os seus fãs que Haruto pudesse continuar o seu legado.


Love Story – Namie Amuro (YouTube)

Vida amorosa

Em 2010, Amuro recebeu o prêmio de “Melhor Artista da Ásia” no World Music Awards em Mônaco, tornando-se a Primeira Artista Feminina Asiática a receber esse prêmio. Nessa mesma época, ela engatou um romance rápido com o comediante Atsushi Tamura. No entanto, Namie nunca mais se casou e seus relacionamentos desde então sempre foram discretos.

Bom, tentei resumir a vida de Namie Amuro o máximo possível, mas não consegui ser bem sucedida, afinal a vida dela é digno de um bom enredo de filme, cheio de altos e baixos. Além disso, ela quebrou uma série de paradigmas no Japão, especialmente em relação às tatuagens além do fato de ter se casado grávida, se divorciado e se tornado uma mãe solteira.

É incrível imaginar que aquela moça simples de Okinawa se tornaria uma das maiores estrelas da indústria J-Pop. Além disso, gostaria de saber o segredo para continuar tão linda aos 40 anos de idade. Parece que o tempo não passou pra ela, nesses 25 anos de carreira.

Pra fechar com chave de ouro, eis o clip da música “Hero”, música lançada especialmente para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016. Tem tudo a ver com Namie Amuro, já que ela foi a protagonista e a bela heroína de sua própria história, além de um ícone para sua geração.


Hero – Namie Amuro (YouTube)

Já conhecia a história de Namie Amuro e suas canções? Tenho certeza que se não conhecia, vai tornar-se fã depois de conhecer um pouco sobre a vida dessa grande artista. 🙂

Referências: jpninfo.com, aramajapan.com, Wikipedia

Quer Aprender Japonês?

3 Comentários

  1. alexandre oshiro

    Muito bom. adorei
    Sou fã dela a muitos anos, podíamos trocar mais figurinhas sobre ela.
    Triste saber que ela anunciou sua aposentadoria, mas entendo e admiro a coragem de fazer isso no age de sua carreira, claro que pra mim ela não sumirá, pois ela é celebridade e da midia o que eu imagino é que ela não fará mais albuns ou show da magnitude de hj em dia.
    Tenho algumas duvidas sobre ela, por isso queria “trocar essas figurinhas” por exemplo, porque ela parou de aparecer nos programa de Tv ?
    Bom é isso, espero poder conversar mais sobre a nossa rainha..

  2. Max

    Muito boa postagem!
    Gosto muito do estilo que ela imprimiu na música pop japonesa. Após ler esse histórico, vou curtir mais ainda quando ouvir a rainha!

  3. Celso

    Morei no Japão nos anos noventa, acompanhei a trajetória da carreira dessa cantora. Da ascendência okinawana. Só não sabia que a mãe dela era mestiça de italiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *