História do cientista Hideyo Noguchi

História do cientista Hideyo Noguchi

Cientista Hideyo Noguchi e seu legado na medicina

Se você já viu uma nota de 1000 ienes, deve ter reparado no rosto impresso nesta nota desde 2004. É o rosto de Hideyo Noguchi, um grande cientista japonês, nascido em 24 de novembro de 1876 e falecido em 21 de maio de 1928.

Ele é sempre homenageado pelo buscador Google.jp no mês de novembro devido ao seu aniversário, que no ano de 2016, fez 140 anos.

Hideyo Noguchi foi condecorado através de diversas Estátuas, tanto no Japão como em outros países como EUA, Europa, África e até no Brasil, como busto em sua homenagem , na cidade de Campinas, localizada no Jardim Guanabara, e próximo ao Clube Nipo Brasileiro.

Além de ser homenageado de várias formas, a casa do cientista em sua cidade natal, se tornou um Memorial, onde está reunido muita coisa, como fotografias, artigos pessoais e científicos, medalhas, dentre outras coisas que se refere à vida desse grande homem, que prestou um grande serviço à humanidade.

* Memorial e selo em homenagem à Hideyo Noguchi

Noguchi foi indicado a três prêmios Nobel, foi premiado com medalhas dos reis da Dinamarca e Espanha, e recebeu numerosos títulos honoris em diversas universidades no mundo todo. Mas quem foi esse homem e o que ele fez para ser tão reverenciado assim?

Conheça um pouco sobre sua história e de como ele se tornou um grande cientista e um dos médicos mais conhecidos e mais respeitados do século 20, mas que infelizmente acabou sendo vítima da própria doença que estudava em benefício da humanidade.

* Estátuas em homenagem à Hideyo Noguchi em Gana e Parque de Ueno

História de Hideyo Noguchi

Hideyo Noguchi tinha origem humilde, mas isso não foi um empecilho para ter uma brilhante carreira como microbiologista. Ele nasceu na aldeia de Sanjogata e morava em uma fazenda muito pobre. Seu pai era carteiro da vila, e sua mãe trabalhava nos campos de arroz.

Quando tinha 2 anos de idade, Hideyo Noguchi sofreu um acidente onde se queimou gravemente, especialmente seu corpo e seu braço esquerdo. As queimaduras, além de terem deixado muitas cicatrizes, deformou seu braço de tal maneira que perdeu muitos dos seus movimentos.

Além desse problema, ainda tinha o seu pai, que acabou se viciando em álcool e jogos de azar, deixando a mãe de Hideyo praticamente sozinha na incumbência de alimentar e criar sua família. Devido ao seu problema no braço, provavelmente Noguchi, não conseguiria trabalhar na lavoura e portanto, sua mãe, sempre o incentivou nos estudos.

* Noguchi e sua mãe

E o jovem não se fez de rogado, logo se tornou uma criança que se destacava das demais por sua inteligência. Certa vez, já no ensino médio, quando um inspetor escolar chamado Kobayashi visitou a escola da aldeia, ele notou o talento de Noguchi e convidou-o a fazer o estudo secundário em seu colégio, em uma cidade vizinha.

Ele também encaminhou o menino à um médico chamado Dr. Watanabe Kanae para que cuidasse das suas cicatrizes no braço, e assim pudesse recuperar um pouco dos seus movimentos. O jovem Noguchi caiu nas graças do médico que ao perceber o seu grande potencial, convidou-o para ser seu assistente e ainda lhe deu todas as oportunidades para cursar medicina, inglês, francês e alemão.

O jovem aprendiz não desapontou seu grande mestre, pois ele abraçou a oportunidade e absorveu o máximo que pôde, se dedicando ao máximo ao estudo e à leitura das centenas de livros da biblioteca do Dr. Watanabe.

Foi no microscópico do seu médico protetor, que Noguchi, viu suas primeiras espiroquetas. Entrou em Escola de Medicina de Tóquio e em 1897 obteve seu diploma, após passar com mérito em dois exames. Depois entrou no Instituto de Doenças Infecciosas, em Tóquio, então dirigido pelo Professor Kitasato, descobridor dos organismos provocadores do tétano e da pestilência.

Antídoto para picada de cobra

Em 1899, no instituto, conheceu o Professor Simon Flexner, da Filadélfia, que em 1901 o levou para estudar e trabalhar na Universidade da Pensilvânia, onde ele começou sua carreira de investigação médica . Ele ofereceu-se como um funcionário do laboratório e desenvolveu diversas pesquisas sobre venenos.

Noguchi foi um dos pesquisadores que descobriram que o antídoto para picadas de cobra poderia ser produzido a partir do próprio veneno da cobra, o soro antiofídico. Ele estabeleceu muitos dos métodos imunológicos básicos que estão sendo usados ainda hoje em dia.

Foi premiado com um Carnegie Fellowship e estudou em Copenhague (1904) com aquele considerado o maior especialista europeu em substâncias venenosas, Thorwold Madsen, justo no período em que produziu uma antitoxina contra mordidas de cobra.

Estudos sobre a Sífilis

Em 1904, Hideyo Noguchi se mudou para Nova York, onde ganhou até naturalização americana e concentrou suas pesquisas sobre a sífilis, uma doença que não era bem compreendida na época. Ele estabeleceu um método simples para detectar a doença em suas diversas formas. Sua pesquisa ganhou reconhecimento mundial, e viajou extensivamente para ajudar outros países.

Dentre suas descobertas, Noguchi comprovou a origem sifilítica de certas formas de paralisia geral, comprovando a conexão da bactéria do sífilis em partes do sistema nervoso e no cérebro humano, onde antes jamais haviam pensado estar conectado e também propôs uma modificação da reação de Wassermann.

Estudos sobre a Febre Amarela

Em 1927, fez uma grande descoberta onde comprovou que a febre amarela se tratava de uma doença viral e não bacterial como antes pensava.

E foi durante suas pesquisas sobre a febre Amarela, que ele acabou contraindo a doença, que o levou à sua morte em 1928, na África, em Accra, hoje chamada de Gana. Infelizmente, acabou sendo morto pelo seu próprio “objeto de estudo”.

Noguchi ficou conhecido internacionalmente por suas pesquisas sobre o antídoto para picadas de cobras peçonhentas, pesquisas sobre a sífilis e a febre amarela, além de importantes contribuições ao estudo de várias outras doenças infecciosas.

Em 1979, foi fundado o Noguchi Memorial e Instituto de Pesquisa Médica (NMIMR) com recursos doados pelo governo japonês. O Instituto está localizado na Universidade de Gana, em Legon, um subúrbio do norte de Accra.


* O túmulo de Hideyo Noguchi está no cemitério de Woodlawn, em Nova Iorque

Conheça outras histórias:
• História da Sony
História da Nintendo
• História do Miojo
• História de Sadako
• Histórias de Hiroshima
• História do cão Hachiko
• História de Tezuka Osamu, o Deus do Mangá

Quer Aprender Japonês?

6 Comentários

  1. Pingback: Médicos do Mundo – Hideyo Noguchi | e-BLOGlobina

  2. Douglas

    Eu sempre que via a nota de 1000 yenes em animes, mangás e doramas me perguntava “que é esse cara?”
    Agora entendi como ele foi parar lá, ele foi muito inteligente, conseguiu criar antídoto para a picada da cobra e a febre amarela, nunca que eu ia imaginar que isso foi criado pelo cara estampado na nota de 1000 yenes. xD
    Se um dia eu for para campinas, com certeza vou atrás dessa estatua dele para tirar uma foto. ^^
    Abraços!

  3. João Carlos Cezário...

    Se você tem problemas em sua vida, mas tem uma vontade de superar tais propósitos, vai esperar que eles se avolumem ou vai dar sequência nos trabalhos, para assumir – de vez! – o comando e o controle das ações a suplantar tais dificuldades?

    João Carlos Cezário Thiago da Silva

  4. Japão em Foco

    Oi João Carlos!
    Muito legal suas palavras… Falou tudo!
    Quando a gente tem força de vontade e determinação, podemos conseguir tudo o que queremos, mesmo que o destino esteja contra a gente. Hideyo Noguchi foi um exemplo disso, pois apesar da pobreza em que vivia, soube abraçar as oportunidades com unhas e dentes e assim se tornou um cientista que trouxe grandes avanços para a cura de picada de cobra e doenças como febre amarela. Por isso, devemos deixar as lamentações de lado e lutar sempre sem desistir jamais hehehe!

  5. Japão em Foco

    Oi Douglas!
    Se você for até Campinas realmente seria bem interessante você visitar a estátua dele, afinal foi um grande cientista que trouxe muitas descobertas sobre a cura da picada de cobra e febre amarela. E a foto dele na nota de 1000 ienes foi uma grande e linda homenagem que poderiam ter feito a ele, pois é com certeza, a nota mais usada no Japão!!! Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *