Estudar no Japão através do Ciência Sem Fronteiras

Estudar no Japão através do Ciência Sem Fronteiras

Estudar no Japão através do Ciência Sem Fronteiras

Uma boa alternativa para quem deseja estudar no Japão é através de bolsas de estudos oferecidas pelo Programa Ciências Sem Fronteiras. Pra quem não conhece, este programa foi criado em 2011 pelo governo federal com o objetivo de promover a competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional.

O programa oferece bolsas de estudo no exterior a estudantes de graduação e pós-graduação, nas áreas de tecnologia, ciências exatas e biológicas como forma de investir na qualificação e desenvolvimento dos futuros profissionais brasileiros, aumentando sua presença nas grandes universidades de todo o mundo.

A meta do programa é oferecer 101 mil bolsas em quatro anos de atuação. Além de estimular a competitividade e internacionalização, o Ciência Sem Fronteiras busca a especialização de pesquisadores brasileiros no exterior e também atrair pesquisadores de fora para atuarem no Brasil.

Para concorrer a uma bolsa de estudos pelo Ciências Sem Fronteiras, o candidato primeiramente deve escolher a Universidade ou Instituição no exterior onde deseja estudar. Caso ainda não tenha escolhido, o candidato pode entrar em contato com os parceiros do Programa Ciência sem Fronteiras no exterior para se informar sobre todas as oportunidades disponíveis.

No caso do Japão, os parceiros do programa Ciências Sem Fronteiras são o: JASSO (Japan Student Services Organization) e MEXT (Ministério da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia do Japão)

Depois, o candidato deve solicitar a bolsa na universidade escolhida. A escolha pode ser feita diretamente ou através dos parceiros Jasso ou Mext. Caso o pedido seja aceito, o candidato deverá fazer a inscrição no Portal do Programa Ciência sem Fronteiras, de acordo com a área onde deseja atuar.

Caso não tenha preferência por nenhuma universidade, o candidato será encaminhado para a instituição escolhida pela Capes e o CNPq, após ser selecionado. Antes, porém deverá fazer a inscrição no site do Ciência sem Fronteiras (no período estipulado) com a escolha do país onde deseja estudar, preencher os formulários e separar os documentos solicitados.

Os candidatos de pós-doutorado interessados poderão realizar pesquisas em universidades e institutos japoneses. É importante que a candidatura seja feita com a maior antecedência possível. Assim que a concessão da bolsa pela CAPES ou pelo CNPq for concedida inicia-se todos os trâmites para o embarque.

Áreas contempladas

O Ciência sem Fronteiras possui acordo com instituições da Alemanha, Austrália, França, Coreia do Sul, EUA, Noruega, Japão, entre outros. Para participar, o candidato deve estar matriculado em cursos das seguintes áreas:

– Engenharias e demais áreas tecnológicas;
– Ciências Exatas e da Terra;
– Biologia, Ciências Biomédicas e da Saúde;
– Computação e Tecnologias da Informação;
– Tecnologia Aeroespacial;
– Fármacos;
– Produção Agrícola Sustentável;
– Petróleo, Gás e Carvão Mineral;
– Energias Renováveis;
– Tecnologia Mineral;
– Biotecnologia;
– Nanotecnologia e Novos Materiais;
– Tecnologias de Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais;
– Biodiversidade e Bioprospecção;
– Ciências do Mar;
– Indústria Criativa (voltada a produtos e processos para desenvolvimento tecnológico e inovação);
– Novas Tecnologias de Engenharia Construtiva;
– Formação de Tecnólogos.

Requisitos para a candidatura

Para a bolsa de graduação, o candidato deverá (além de possuir nacionalidade brasileira), preencher os seguintes requisitos:

– Estar matriculado em um curso superior, nas áreas especificadas (exatas e biológicas), em uma das instituições parceiras do programa;
– Ter completado no mínimo 20% e no máximo 90% do currículo previsto para o curso (no momento do início da viagem);
– Ter obtido 600 ou mais pontos no Enem, em exames realizados a partir de 2009;
– Apresentar bom desempenho acadêmico;
– Não ter já usufruído de bolsa de estudos no exterior, financiada pela Capes ou pelo CNPq;
– Comprovar proficiência no idioma do país.
Para a bolsa de tecnólogo, o candidato deverá:
– Estar matriculado em curso superior de tecnologia nas áreas e temas prioritários;
– Ter cursado no mínimo um semestre e estar, no máximo, no penúltimo semestre do curso, no momento do início da viagem;
– Apresentar proficiência no idioma do país;
– Possuir bom desempenho acadêmico.
Para as bolsas de doutorado, o candidato deverá:
– Estar formalmente matriculado em curso de doutorado reconhecido pela Capes (apenas para doutorado sanduíche);
– Não ser aposentado;
– Ter proficiência do idioma do país;
– Não possuir título de doutor.

Informações adicionais

As bolsas de graduação oferecidas são de 870 dólares mensais, enquanto as de doutorado sanduíche e doutorado pleno são de 1300 dólares. Se você pretende se candidatar a uma bolsa de estudos no Japão através deste programa, confira o Guia Prático para Bolsistas do Ciência sem Fronteiras, com informações relevantes que podem ajudar bastante em sua adaptação no Japão.

As inscrições para o programa são abertas em diversas ocasiões ao longo do ano, conforme a oferta de vagas nas instituições parceiras do programa. A melhor maneira de ficar por dentro de quando os cadastros estarão disponíveis é visitando o site Ciência Sem Fronteiras, na seção “Chamadas abertas”.

A experiência de fazer intercâmbio em outro país é muito enriquecedora e com certeza trata-se de uma oportunidade que não deve ser desperdiçada. E, em se tratando de Japão, a experiência pode ser ainda mais rica, por se tratar de um país com uma cultura única e singular, muito diferente da nossa realidade.

Boa Sorte em sua jornada!!! 🙂

Referências: Ciência Sem Fronteiras, Guia do estudante

Quer Aprender Japonês?

2 Comentários

  1. Lia

    Eu vou me formar este ano e vou fazer o ENEM, mas eu tenho que me cadastrar em uma universidade qualquer e procurar o Ciências sem fronteiras ou uma universidade específica? :S
    Todo esse negócio de Sisu, etc, é muito novo para mim…
    Amooooo seu blog! Parabéns 😀

  2. Dani

    Bom dia,
    Primeiramente, muito obrigada pelas postagens, elas me são sempre muito interessantes e ajudam muito.
    Em segundo, quanto aos cursos contemplados, caso a pessoa esteja em um outro curso, na área de biológicas, não tem como pleitear vaga no programa? Por exemplo, em meu caso, é medicina veterinária.
    Agradeço desde já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *