Nova onda de jogo responsável no Japão limita visitas a cassinos a 10 por mês!

Pachinko

Os legisladores japoneses apresentaram na quinta-feira uma proposta que visa limitar o número de visitas aos cassino permitidas a dez por mês, informou o Japan Times. A medida destina-se a conter problemas de vício em jogo que poderiam surgir depois da abertura planejada de casinos em todo o país.

O plano foi apresentado hoje ao Partido Liberal dominante juntamente com o partido parceiro de coligação Komeito. Parece que a proposta já atraiu a oposição de vários legisladores, pois acham que a limitação é estrita demais.

Nesta a proposta, os japoneses e estrangeiros que residem no Japão teriam um limite de três visitas ao cassino dentro de sete dias consecutivos e dez visitas ao cassino dentro de 28 dias consecutivos. Suas visitas aos casinos do país seriam rastreadas através de um sistema chamado “My Number”.

Introduzido em 2015, este sistema emite um número de identificação de 12 dígitos para cidadãos japoneses e residentes estrangeiros do país. Ele é usado para diversos fins, incluindo segurança social, tributação e resposta a desastres.

Os legisladores dos partidos no poder expressaram dúvidas sobre o uso destes cartões de identidade como um meio efetivo para rastrear as visitas das pessoas aos casinos, já que apenas 10% da população do Japão os emitiu até agora.

Qual é o próximo passo para o processo de legalização dos cassinos no Japão?

O Japão aprovou um projeto de lei que legalizou o jogo de cassino no final de 2016. Sob essa peça legislativa, os cassinos só poderiam ser construídos no Japão como parte de resorts maiores integrados (MICE). Os legisladores agora têm que aprovar uma lei separada que estabelece as regras através das quais as instalações de jogos seriam operadas.

Acredita-se que a segunda parte da legislação de jogos de cassino possa ser introduzida até março. Esperava-se anteriormente que o projeto de lei pudesse ser elaborado, apresentado e votado até o final de 2017, mas a turbulência política no país atrasou todo este processo.

O segundo projeto de lei também inclui medidas de jogo responsáveis que se concentrarão em limitar o impacto negativo dos futuros casinos em uma nação que já foi engolfada em preocupações com as crescentes taxas de apostas, principalmente relacionadas a máquinas caça niqueis e jogos de pachinko.


Um estudo recente realizado pelo Kurihama Medical and Addiction Center na National Hospital Organization descobriu que 3,2 milhões de japoneses sofreram de formas mais suaves ou mais pesadas com comportamento problemático relacionado jogo.

As propostas de jogo responsável anteriormente apresentadas mostram que área que os cassinos ocupam não devem exceder 15.000 metros quadrados e não devem representar mais de 3% da área total dos resorts integrados dos quais eles fariam parte.

Uma taxa de admissão para cidadãos japoneses e residentes estrangeiros também deve ser adicionada à lista de medidas incluídas na segunda proposta de lei.

O projeto de lei também determinaria o número de casinos que poderiam ser construídos no país, bem como os locais apropriados. Os locais de jogo, juntamente com o resto das instalações nos resorts integrados, visariam impulsionar o turismo no Japão, bem no momento em que a nação começa a sair do crise econômica.

Quer Aprender Japonês?

2 Comentários

  1. Joao marcos

    nao acho que quando eu for para o japao a primeira coisa que eu vou fazer e jogar em cassinos minha familia tem muito problema com aposta em jogo… hehe

    mais uma coisa acho que deveria ter no blog uma aba so para noticias do que ta rolando por lah… se tiver eu num achei ‘~’ … eu to dizendo pq isso aparece uma noticia do que curiosidade ou algo que envolve cultura…

  2. Até que enfim, depois de muitas tragédias (bebês que faleceram deixados dentro de carros totalmente fechado. ao sol, enquanto os pais jogavam, criancinhas com fome, sede, cansada e sono, chorando e pedindo à mãe viciada no jogo, bebida e cigarro, para irem embora, etc) parece que os políticos japoneses tomaram vergonha na cara e “acordaram” para o enorme problema social. Têm que PROIBIR a entrada/permanência de menores nesses lugares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *