Prós e Contras das Escolas Japonesas


escolas japonesas

Conheça os prós e contras da educação nas escolas japonesas.

O Japão é um dos países mais desenvolvidos e disciplinados do mundo e o país mostra isso em praticamente todos os aspectos de sua cultura. Nas escolas, a rotina das crianças é intensa e é ensinado muito mais do que apenas abrir e estudar o que está nos livros.

Lá, as crianças realizam atividades integralmente e dividem tarefas como distribuir refeições para as outras crianças, cuidar dos jardins, limpar a sala de aula e lavar os banheiros, só citando alguns exemplos. Elas também tem aulas de culinária, costura e música. E na maioria das escolas, as crianças são instruídas a manter essa rotina de forma disciplinada.

Para algumas pessoas esse modelo educacional pode parecer explorador, mas a verdade é que isso causa um efeito sublime na educação das crianças japonesas: não irritar nem perturbar os outros. Essas regras não são seguidas apenas na escola, mas em todos os ambientes públicos. Desde pequenas, as crianças entendem o valor da higiene, do convívio e do compartilhar.

O país é extremamente limpo e organizado e as coisas funcionam perfeitamente devido a algumas regras sociais que estão enraizadas na cultura japonesa. Como resultado dessa disciplina, tem-se uma população educada, que nunca larga o lixo nas ruas ou fura fila.

As crianças aprendem a importância de respeitar o próximo e têm consciência coletiva desde cedo. Quando algumas ruas estão sujas por algum motivo, não é incomum ver os próprios moradores varrendo as ruas e recolhendo o lixo ou se reunindo em mutirão para tal ação.

Os professores no Japão passam por uma rígida seleção e por isso são altamente qualificados. Aproveitando para deixar uma dica: Quer aprender outros idiomas e visitar a terra do sol nascente? A Preply encurta o percurso oferecendo aulas presenciais ou à distância de vários idiomas, com professores do Brasil e do mundo. Para saber mais, acesse Preply.com.

Nada é perfeito, nem o Japão

Randoseru, a mochila esolar japonesa

Como em qualquer lugar do mundo, educação no Japão tem seus prós e contras. Apesar de apresentar dezenas de aspectos positivos, também possui alguns contras que precisam ser revelados. Se você já ouviu falar sobre a rigidez das escolas, acredite, pois é a pura verdade.

As regras são tantas que os estudantes acabam ficando sem muita oportunidade para se mostrarem ou se expressarem. Por outro lado, a disciplina e a unidade criada no ambiente escolar através das regras, acaba fazendo com que os estudantes não desenvolvam alguns tipos de comportamentos que geralmente são desenvolvidos nas escolas do ocidente.

Algumas escolas proíbem que os alunos tenham cabelos tingidos de outra cor e, em alguns casos, a família é acionada. Outro problema muito comum no Japão e mundialmente conhecido é o índice de suicídio, que é altíssimo, especialmente devido à pressão dos exames.

Outro problema grave que assola as escolas japonesas é o assedio moral e a violência física ou psicológica praticada entre os estudantes, especialmente contra aqueles que não se encaixam no “padrão”. Muitas escolas fecham os olhos para o Ijime (bullying) e as medidas cabíveis demoram a ocorrer, tornando a vida difícil para aqueles que sofrem esse tipo de agressão.

As crianças, em geral, sofrem sozinhas quando estão tristes com alguma coisa e não se abrem para os pais ou amigos. Esse hábito, com o tempo, acaba tornando a vida muito mais pesada e sentimentos que poderiam ser abafados acabam tomando conta do indivíduo.

Felizmente, esse assunto vem tomando mais notoriedade e o Japão começou a fazer campanhas e lançar projetos que visam reformular algumas questões, a fim de tornar a vida das crianças e adolescentes menos oprimidas. Existe uma luz no fim do túnel! 🙂

Quer Aprender Japonês?

1 Comentário

  1. Carlos Frederico

    O Japão se encontra numa encruzilhada, entre manter a sua maneira de ser (e continuar sofrendo as consequências) ou mudar radicalmente. Na minha opinião, o sistema educacional japonês serviu para um propósito muito específico no passado, que era formar uma sociedade dentro de um modelo educação-trabalho, com resquícios de ideias do Japão antigo, como honra e sacrifício. Isso possibilitou ao país vencer a pobreza do pós-guerra (é claro que com uma ajuda econômica significativa dos EUA) e tornar-se um país rico e influente na Ásia. Mas os tempos mudaram e este sistema precisa ser revisto. Criar pessoas com grande senso de responsabilidade, mas sem iniciativa, sem questionamento, matando a individualidade, não serve mais ao mundo. Vai ser uma tarefa árdua e já se fala da perda de valores tradicionais, enquanto se perguntam, qual Japão o Japão quer ser…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *