É possível morar no Japão mesmo não tendo ascendência nipônica?

Como morar no Japão?

Oi pessoal, tudo bem? Aqui estamos nós esclarecendo uma grande pergunta que todo amante da cultura japonesa já se fez, “como eu posso morar no Japão?”. É uma questão extremamente delicada devido ao país ter uma lei de imigração um pouco inflexível.

Como sabemos, descendentes de japoneses tem maiores facilidades de conseguir visto de trabalho no Japão. Vemos agências oferecendo emprego a rodo. Mas isso não significa que não exista oportunidades para não-descendentes. Aliás, se você pesquisar um pouco verá que é possível sim conseguir um trabalho no Japão, embora seja mais burocrático.

Sugiro que você dê uma lida na lista de empregos e atividades que possibilitam visto para o Japão disponibilizadas no próprio site da Imigração e também o artigo do sensei Luiz Rafael Passari: Como morar no Japão sem ser descendente. Aliás, ele também fez uma série de vídeos com informações relevantes sobre o assunto, que você pode conferir abaixo:


Link da playlist (YouTube)

O que você precisa saber antes de tudo?

Primeiro, tenho que deixar claro que tirar férias e morar no Japão são duas coisas muito diferentes. Ou seja, se você quer morar lá, você não vai poder viver o tempo todo como se estivesse em férias permanentes, só curtindo o que o país tem de melhor.

Mas se você quer realmente morar no Japão e não tem ascendência japonesa, vou te mostrar algumas opções. Antes, é necessário que você entenda como funciona a lei de imigração japonesa antes de fazer quaisquer planos para o futuro. E daí, será o seu esforço que vai decidir o seu futuro, e principalmente vai decidir o quão forte é sua perseverança.

Então vamos lá…

Alguns dos requisitos são possuir um passaporte válido com um visto igualmente válido emitido por um oficial do consulado japonês e também comprovar quais as atividades irá exercer no Japão, que devem ser verdadeiras conforme indicado na solicitação. Ou seja, por meio do visto você irá comprovar que tem um objetivo concreto para entrar no país.

Além disto, quem quer uma estadia, exceto em visitas curtas temporárias, irá precisar de um documento chamado certificado de elegibilidade, que é a confirmação de que você tem alguns requerimentos necessários para ser assegurada sua residência, tais como um trabalho ou um mérito escolar em forma de intercâmbio ou bolsa de estudos.

Tipos de vistos para trabalhar no Japão

Existem vários tipos de vistos, sendo eles o visto expedido para estadia curta, para trabalho/estadia prolongada e para estadia média. Fora estes, há a isenção de visto para portadores de passaporte diplomático e oficiais. O que pode ser entediante explicar estas burocracias, então eu irei focar apenas nos vistos para estadia prolongada e trabalho.

Eu creio que já dá para perceber que tem poucas maneiras de colocar os pés na terra do sol nascente, mas não é impossível. Confira algumas das opções abaixo.

Exemplos de Vistos de Trabalho no Japão

Professor (Exemplos: professor universitário, professor assistente, professor de línguas, etc.)

Artista (Exemplos: compositores, artistas, escultores, artesãos, fotógrafos, etc.)

Atividades religiosas (Exemplos: monges, bispos, missionários, etc.)

Jornalista (Exemplos: jornalistas de jornal, jornalistas de revistas, editores, cinegrafistas de notícias, locutores, etc.)

Gerente de negócios (exemplos: presidentes de empresas, diretores, etc.)

Serviços jurídicos / contábeis (exemplos: advogados, escrivães judiciais, contadores públicos, contadores fiscais, etc)

Serviços médicos (exemplos: médicos, dentistas, farmacêuticos, enfermeiros, etc.)

Pesquisador (Exemplos: pesquisadores em institutos de pesquisa, etc.)

Instrutor (exemplos: professores em escolas primárias, intermediárias e secundárias)

Engenheiro / Serviços Internacionais (Exemplos: engenheiros científicos, engenheiros de TI, professores de línguas estrangeiras, intérpretes, redatores, designers, etc.)

Cessionário na empresa (Exemplos: pessoas transferidas para a sucursal japonesa (sede da mesma empresa, etc.)

Entretenimento: (exemplos: músicos, atores, cantores, dançarinos, esportistas, modelos, etc.)

Trabalho qualificado (Exemplos: chefs especializados em comida de um país estrangeiro, treinadores de animais, pilotos, treinadores esportivos, sommeliers, etc.)

Atividades culturais (Exemplos: estágios não remunerados, pessoas estudando a cerimônia do chá ou arranjos de flores japonesas, etc.)

Diplomata (Exemplos: Pessoas que vem ao Japão para trabalhar em missões diplomáticas ou repartições consulares, etc.)

Funcionário de alguma empresa japonesa (Exemplos: Pessoas que vem ao Japão contratadas previamente por alguma empresa japonesa, etc.)

Mais 2 novos vistos criados em novembro de 2018

Em 2 de novembro de 2018, o governo japonês anunciou a criação de dois novos vistos de trabalho para estrangeiros no Japão. Eles são chamados de “habilidades específicas” e divididos em n°1 e n°2. Esses vistos valerão para qualquer pessoa, independente da ascendência nipônica, desde que preencham os requisitos exigidos para tais vistos.

Segundo o site IPC Digital, o n° 1 garante a permanência no Japão por no máximo 5 anos e não poderá trazer a família. Já o n°2, permitirá visto de 1 a 3 anos que poderá ser renovado. Além disso, o portador deste visto poderá trazer a família para o Japão, se quiser.

Ainda não se sabe ao certo os tipos de “habilidades específicas” exigidas pelo governo japonês, mas serão 14 ao todo. Tudo indica que os setores de agricultura, pesca, silvicultura, construção, cuidador de idosos, hotelaria e restaurantes estarão entre as opções.

Certificado de elegibilidade

Este é um documento é essencial para que você consiga direito à estadia prolongada no país. No entanto, não é tão fácil de ser conseguido pelo fato de não se tratar de um documento que dependa exclusivamente de você. É obrigatório que alguma empresa ou alguém que já esteja no Japão, entre com um pedido para expedir este documento pra você.

Ou seja, este documento é obrigatório para pessoas que querem trabalhar ou estudar no Japão, e é necessário que seja adquirido antes mesmo de dar entrada no visto em algum consulado japonês aqui no Brasil, pois é um documento que é exigido pelo mesmo.

É comum que ocorra o interesse da empresa em um profissional, seja ela de qual setor for, e com um visto de curta duração (turismo), este profissional vai até o país, realiza reuniões, entrevistas e acerto de contrato. Após todo o imbróglio de contratação e documentação necessária, o profissional recebe o visto para permanecer e trabalhar no Japão.

Dicas Importantes

Eu creio que o método mais eficaz de um não-descendente obter o visto para morar no Japão é se enquadrando como cônjuge de um nipo-descendente de até terceira geração (sansei).

Mas, como vimos, existem outros meios de se conseguir o visto, embora demande mais processos burocráticos. Se você se enquadrar em alguma atividade aceita no Japão e conseguir o certificado de elegibilidade, é bem provável que consiga um visto de trabalho.

Aconselho que você pesquise entre em contato com o consulado japonês mais próximo de onde mora e assim possa tirar todas as suas dúvidas em relação às burocracias envolvidas, assim como quais são as principais restrições impostas para os estrangeiros.

Mas volto a avisar que o importante é você ter uma grande persistência e perspicácia para enfrentar os desafios que serão impostos, tais como a língua, a enorme competitividade, a grande taxa de expectativa, a pressão para gerar bons resultados, a grande falta de confiança em estrangeiros e vários outros aspectos que irão se impor como obstáculos.

E antes de tudo, tenha um bom plano de viagem. Sempre pesquise, se informe e converse com alguém que possa te ajudar com dicas de oportunidades de empregos no Japão. Tudo isto pode te ajudar a alcançar seu objetivo de morar no Japão de forma mais efetiva.

Eu também quero lembrar que o visto é apenas uma parte do processo. Você também precisará do certificado de elegibilidade que é tão ou até mais importante que o visto. Para saber como obtê-lo, deixarei alguns links no final do artigo com maiores informações, ok.

Conclusão

Outras opções de morar no Japão são através de vistos de estudante ou bolsas de estudos. Após morar um período no Japão através desse visto, muitos estudantes conseguem ser contratados por empresas ligadas à sua área. Também pode ser uma boa alternativa.

Se você tem essa meta, persista até conseguir chegar lá. Enfim, desejo a você boa sorte e que consiga alcançar seu objetivo, e lembre de não desistir e sempre melhorar no que puder. Obrigado por ler o artigo até o final. E se puder, não esqueça de compartilha-lo. 🙂

Links úteis:
http://www.immi-moj.go.jp/english/
http://www.immi-moj.go.jp/english/tetuduki/kanri/shyorui/01.html
http://www.immi-moj.go.jp/english/tetuduki/kanri/shyorui/Table4.html
https://www.mofa.go.jp/j_info/visit/visa/index.html
http://www.sp.br.emb-japan.go.jp/pt/visitando/visa.htm

Participe da 10° Semana da Língua Japonesa 2018!

10° SEMANA DA LÍNGUA JAPONESA

Quer Aprender Japonês?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *