Conheça 10 diferenças entre o Japão e o Brasil


Flag_of_japan

Conheça 10 diferenças entre o Japão e o Brasil
Os eventos que reúnem a cultura e a gastronomia japonesa aqui no Brasil são bastante comuns – tanto que existe um nome para designar os apaixonados pelos desenhos japoneses, por exemplo: os otakus. O Japão é constituído por várias ilhas e seu território é formado quase que totalmente por montanhas.

Isso faz com que o país seja propicio para o cultivo do arroz. A sua história traz nas raízes um pouco da cultura chinesa, uma vez que o país teve fortes relações com a gigante nação vizinha. A partir de sua abertura para o mundo, durante o Período Meiji em 1868, o Japão trouxe várias técnicas antes desconhecidas pelos ocidentais.

Dessa mistura, saíram as técnicas artesanais para cuidar de plantas como o bonsai, a cerâmica, a manipulação do papel na criação de origamis, espetáculos como o bunraku, as cerimônias religiosas e o uso dos quimonos.

Em meio a tradição oriental, encontramos algumas diferenças intrínsecas entre um país recluso e outro completamente mestiço, como é o caso do Brasil.

10 Diferenças entre Brasil e o Japão

Conheça 10 diferenças entre o Japão e o Brasil

1. O governo japonês é imperial, e o poder se passa através do sangue nobre. Diferente do Brasil, onde existem as eleições para mudar os responsáveis pela política do país, o Japão já está em seu 125º imperador.

2. As principais religiões do país são o Xintoísmo e o Budismo. O Cristianismo chegou apenas em 1549 no país. É comum você encontrar japoneses que aderem às duas religiões.

3. A economia japonesa é uma das mais desenvolvidas no mundo. As suas atividades principais são voltadas à tecnologia.

4. Os japoneses trafegam pelo lado esquerdo da rua, um costume que se estende desde a época dos samurais.

5. Todos colaboram para manter a limpeza do país. Diferente do Brasil, lá é costume jogar o lixo no lixo e é comum os vizinhos ajudarem a limpar até o sistema de bueiros do bairro uma vez por mês.

6. O japonês também é bom de copo, mas ao invés da cerveja, eles preferem o saquê.

7. Apesar dos demais cuidados com a saúde, estima-se que quase 1/4 da população japonesa seja fumante.

8. É questão de respeito fazer barulho tomando sopa. Isso mostra que você apreciou o prato.

9. Não se entra nas casas de sapatos. Essa é uma pratica comum em empresas e colégios também.

10. É comum as pessoas dormirem com as janelas abertas, porque acreditam na segurança do país. Porém, isso não quer dizer que não existem roubos ou assaltos no país. O Japão é conhecido pelo seu grupo de crimes transnacionais, a Yakuza, também conhecida como Gokudo.

Apesar da incidência de assaltos ser menor que no Brasil, é importante viajar sempre com o máximo de precaução. Por isso, ao viajar, confira informações sobre o seguro viagem. Assim, você estará preparado para os imprevistos que podem vir acontecer.

Aproveite para ver também:
100 Fatos sobre o Japão – Parte 1
100 fatos sobre o Japão – Parte 2

Autor: Mirella Borelli
Estudante de comunicação e leitora do blog Japão em Foco

Quer Aprender Japonês?

8 Comentários

  1. Jean Isidorio

    Um país de muita educação e tradições.
    Excelente. 😉

  2. Japão em Foco

    Oi Jean!
    Obrigado por comentar!
    Abraços

  3. Stefano

    Você falou de criminalidade no Japão.
    o famoso mangá Yu Yu Hakusho toca num assunto real e delicado… a delinquencia estudantil.
    Maus estudantes que agridem e extorquem os colegas…
    outros que bolinam as colegas.

  4. Esta aí uma lição que seria ótima para o nosso país: trabalhar para o bem comum. Pois uma das coisas que infelizmente reina por aqui é na menor oportunidade se aproveitar das pessoas.

  5. Giovani

    A primeira acredito estar errada eu acho q o imperado akihito seja só um simbolo (assim como a rainha na inglaterra) e não tenha poderes politicos

  6. Kamilla Yamaguchi

    Daqui 2 meses estou indo para o Japão entao muito obrigado a vcs por mostrarem com é um pouco da cultura!!!

  7. Hélio

    De fato, o imperador não é o governante do país.
    Quem manda é o Primeiro Ministro. O imperador apenas nomeia.
    Outro detalhe que gostaria de destacar é que nem sempre a Yakusa vive de praticar crimes. Ele também tem seu lado benevolente.
    Por exemplo, a Yakusa se antecipou e enviou ajuda às vítimas do terremoto e tsunami de 2011 antes mesmo do governo japonês tomar atitudes, fato semelhante também ocorreu no Terremoto de Kobe.
    É claro que o lado filantrópico dessas organizações deve ter segundas intenções por trás…

  8. Stefano Barbosa

    Então os japoneses trabalham e estudam descalços ??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *