Shinkansen brasileiro sairá do papel ou não?

shinkansen_tokyo

Shinkansen brasileiro sairá um dia do papel?
Desde 2007, há rumores de que o governo japonês negociará a adoção do seu sistema de Shinkansen em um projeto de 500 quilômetros no Brasil (Trecho Rio-São Paulo-Campinas). Se o projeto se concretizasse, o Brasil seria o quarto país a adotar o sistema de trem-bala japonês, seguindo o exemplo de Taiwan, China e Londres.

No entanto, por ironia do “destino”, o trem bala brasileiro é o mais lento do mundo, pois não sai do papel, pois já se passaram mais de 6 anos e até agora nada. E muitas pessoas criaram a expectativa de um dia andar em um trem-bala na terra tupiniquim sem a necessidade de ir até o outro lado do mundo para ter esta sensação.

Trecho do trem bala no Brasil

A implantação do trem-bala no Brasil seria como um símbolo de amizade entre Japão e Brasil em homenagem ao Centenário da Imigração japonesa no Brasil, que ocorreu em 2008.

Porém, de lá pra cá nada foi resolvido e dizem que os principais empecilhos são os custos elevados, estimado em R$ 35 bilhões e também a falta de interesse por parte de consórcios interessados em levar o projeto adiante.

Na verdade, às vezes eu penso, por que o Brasil, que na época de dom Pedro II construiu um formidável sistema ferroviário, não continuou investindo no sistema de transporte ferroviário.

Eu acredito que se o investimento tivesse sido continuado, não haveria os muitos problemas relacionados ao trânsito no Brasil nos dias de hoje.

Considerando a tecnologia da época, o sistema ferroviário foi entregue com rapidez e eficiência, três anos depois do acordo assinado em 1885.

Nessa época começaram a operar linhas ferroviárias ligando os estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Bahia e os custos segundo dados históricos nem foram tão altos assim.

No entanto, na década de 50, com a popularização automobilística, o governo deixou de investir nas ferrovias para começar a investir em asfalto. Estações, ferrovias e até mesmo cidades por onde passavam as linhas foram simplesmente esquecidas e abandonadas, deixando pra trás a grande chance de se tornar um líder neste setor.

Shinkansen Monte Fuji

Shinkansen no Japão é sinônimo de rapidez e pontualidade

Hoje em dia, andar de trem no Brasil passou a ser coisa de gente pobre, exceto em casos de trens turísticos. Já no Japão e outros países ricos, andar de trem é a opção mais viável para se locomover com rapidez e chegar com pontualidade em qualquer compromisso, já que não há riscos de trânsito como ocorre nas estradas. Veja no mapa abaixo, as principais rotas que podem ser feitas através do shinkansen:

Shinkansen mapa Japão

O Japão foi o primeiro país do mundo em desenvolver um trem de alta-velocidade, o Shinkansen Série 0, que atingia entre 210 km/h e 220 km/h. Desde a sua implantação na década de 60, a velocidade dos trem-bala japoneses teve uma grande evolução. Em 50 anos, a velocidade praticamente dobrou. Impressionante!

Velocidade Shinkansen no Japão

Não sabemos se a implantação de trens-balas no Brasil um dia acontecerá de verdade ou não! Só sei que a esta implantação mudaria o conceito dos brasileiros em relação aos transportes públicos devido à eficiência e agilidade.

Mas é quase certo de que esse projeto ficará engavetado e não sairá do papel mesmo com a chegada da Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016 no Brasil.

Muitos ainda acham que já é muito tarde para o Brasil implantar esse sistema e que o “trem-bala” no Brasil não daria certo por diversos fatores sociais, políticos e econômicos. Para nós, meros leigos no assunto, resta esperar para descobrir quais serão os próximos capítulos e qual será o desfecho do trem-bala brasileiro.

O que você acha a respeito? Aproveitando, quero compartilhar um vídeo na qual mostra a velocidade de mais de 500 km/hora que um Shinkansen Maglev pode alcançar. E quem tá dentro nem percebe o quanto está rápido:

http://youtu.be/7Kx4OVhbRmw
Link do vídeo (YouTube)

Quer Aprender Japonês?

6 Comentários

  1. may

    minha cara, no Brasil tem que ser ¨trem à prova de bala¨… e essa obra nunca chegara ao fim, pois qdo os trilhos chegarem ao Rio, terão que recomeçar tudo de novo em São Paulo, pois a essa altura os trilhos já terão sido roubados…

  2. carlos

    Tive a oportunidade de andar de trem-bala Hikari no Japão e fiquei surpreso como é uma coisa comum e corriqueira (apesar de não ser barato). Como a malha japonesa é imensa, é compreensível que os trens sejam a solução mais simples. Mas, seria interessante saber, o quanto custou em termos de engenharia/tecnologia e sacrifício (nada vem tão fácil) para que os japoneses chegassem a este ponto (não dá para esquecer que o terreno japonês é montanhoso e com terremotos diários. A logistica e a estrutura de conservação e reparo, deve ser caríssima).
    Imaginar que colocar este ‘trem’ no Brasil, e que tudo funcionará igual ao Japão, é ser muito ingênuo.
    Mas, concordo com quem defende a construção de vias férreas, não necessariamente trem bala.

  3. Rodrigo

    Quando fui ao Japão me locomovi pelo país apenas usando Shinkansen. Achei o sistema muito rápido, eficiente e pontual.
    Como o Carlos citou acima, manter esse sistema operando com eficiência é uma tarefa difícil. O Brasil precisaria melhorar a infraestrutura em vários pontos para suportá-lo.

  4. Douglas Bezerra

    Acredito que os Shinkansen só será implantado em um futuro muito distante e olhe lá. É incrível saber a eficiência dele no Japão e nos outros países que foram implantados, porém as autoridades não parecem ligar nem um pouco pro bem estar da população e outra coisa também seria o custo super alto daqui. Na minha opinião o Brasil já deveria ter esses trens há anos, pois com o valor absurdo que pagamos em imposto não seria impossível. A qualidade também seria um pouco questionável, pois demandaria de pessoas qualificadas para obter eficiência na construção e operação do serviço.
    Abraços!

  5. Pingback: Confira 8 grandes invenções japonesas | Curiosidades do Japão

  6. Não Dá Para Perder a Esperança e o Trem-bala Um Dia Vai Chegar ao Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *