17 Fatos Interessantes Sobre a Yakuza, a Máfia Japonesa


yakuza

17 Fatos Surpreendentes Sobre a Yakuza, a Máfia Japonesa

Yakuza (ヤクザ) é o nome da maior facção criminosa do Japão e do mundo, com mais de 100 mil membros, também conhecida como Gokudō (極道). Para a polícia e imprensa, esta organização criminosa é chamada de Bōryokudan (暴力団), cujo significado é “Grupo de Violência”, mas os membros costumam referir-se como Ninkyō dantai (任侠団体), que significa “Organização Cavalheiresca”.

Acredita-se que a Yakuza tenha se originado em meados do Período Edo (1603 – 1868) e inicialmente eram classificados em dois grupos: Tekiya (os que vendiam bens ilícitos, roubados ou de má qualidade) e os Bakuto, os que se envolviam ou participavam de jogos de azar.

Os Tekiya (mascates) e os Bakuto (apostadores ilegais) provinham das classes socioeconômicas mais baixas da sociedade japonesa e acredita-se que a maior parte dos membros tenham ascendência coreana ou de outros grupos étnicos como os Burakumin. Confira outros fatos interessantes sobre a Yakuza.

1. A origem do nome Yakuza

Yakuza é derivado de um dialeto regional, e significa a sequência de números “8-9-3” ( yattsu, ku, san). Este nome provém de um jogo de cartas chamado oichokabu (おいちょかぶ), que normalmente é jogado com um baralho de hanafuda (花札). A soma destes números corresponde a 20.

A pontuação do jogador neste jogo é decidido pela soma das pontuações em várias cartas e utilizando apenas o menor dígito e portanto segundo as regras do jogo, 20 é igual a 0 pontos. Assim, o significado original da yakuza era “sem pontos” ou ainda “pessoas inúteis” ou “pessoas de jogos de azar”.

2. As 4 Principais famílias da yakuza

A máfia yakuza é conhecida por suas atividades ilegais e por seus códigos de conduta e extrema organização. Tem uma grande influência na mídia e política japonesa, além de também agir internacionalmente. Atualmente, a Yakuza conta com mais 103 000 membros espalhados em quatro famílias principais:

Yamaguchi-gumi (六代目山口組): É a maior de todo o Japão, com 40 mil membros divididos em 750 clãs. Seu Oyabun (líder) é o Kenichi Shinoda, foi fundada em 1915 e a sede está localizada em Kobe. Esta organização encabeça várias atividades criminosas não só no Japão como também fora do país.

Sumiyoshi-Rengo (住吉会): É a segunda maior família Yakuza do Japão, com mais de dez mil membros divididos em 177 clãs. Seu Oyabun atual é o Shigeo Nishiguchi , Osomuya Tanaka. É inimiga de morte da Yamaguchi-gumi.

Inagawa-kai (稲川会): É a terceira maior família Yakuza do Japão, com mais de 7 mil membros e é dividida em 177 clãs. Seu Oyabun atual é o Kakuji Inagawa. Foi a primeira Yakuza a operar negócios fora do Japão.

Toua Yuai Jigyo Kumiai (東亜友愛事業組合): É a quarta maior família da Yakuza, tem mais de mil membros e é dividida em 6 clãs. Seu Oyabun atual é o Satoru Nomura. Fundada em 1948 por Hisayuki Machi, de origem coreana, e por isso é composta principalmente por membros de ascendência coreana.

3. Estrutura familiar da Yakuza

A estrutura da Yakuza é piramidal, com um líder no topo e diferentes posições abaixo dele. No topo está o Oyabun (pai). Abaixo dele está o Kobun (filho adotivo) e sua relação com o Oyabun é de lealdade incondicional e obediência cega. Em troca, o Kobun recebe proteção e favores de Oyabun.

Abaixo está o Saiko-Komon (administrador do clã), o Wakagashira (gerente do clã) e Shateigashira (segundo gerente do clã). Abaixo deles estão o Shingin (assessor), Kaikei (contador) e por último, os Kyodai (irmãos mais velhos), os Shatei (irmãos mais novos) e os Wakashū (jovens líderes).

4. Sakazukigoto – Ritual de Iniciação

Por causa de sua natureza hierárquica, os iniciantes da organização yakuza são obrigados a serem subservientes aos membros mais experientes. A Yakuza tem uma estrutura complexa e para progredir até o topo da hierarquia, tem um longo caminho a ser percorrido. Mas existe um ritual de iniciação que todo iniciante deve passar, conhecido como Sakazukigoto.

Durante o ritual, o iniciado fica em frente ao seu oyabun, enquanto o saque é servido por outros membros. O recém-chegado é servido com uma porção menor, enquanto o copo do oyabun está cheio até a borda, como uma forma de mostrar o seu status. Assim inicia-se o vínculo entre o kobun e o oyabun.

Muitas vezes, a cerimônia é realizada em um santuário xintoísta. Como muitos sabem, o saquê é uma bebida típica de várias cerimônias no Japão, incluindo as religiosas. É considerado um elo de ligação entre o homem e os deuses e também serve para cimentar o relacionamento entre as pessoas.

5. Ritual Yubitsume

Quando alguém entra para a Yakuza, é como um pacto para a vida toda. O membro precisa dispor de lealdade absoluta para com o seu clã e uma vez que infringe alguma regra da organização, é punido com a amputação da ponta do dedo mindinho, em um ritual conhecido como Yubitsume.

No caso de novas infrações, uma parte adicional do dedo é cortado, passando aos outros dedos se necessário. O corte do dedo está relacionado com o enfraquecimento da mão de um espadachim ao empunhar sua espada e desta forma, simboliza também o enfraquecimento do membro com seu clã.

6. As tatuagens Yakuza

Uma das características mais proeminente de um membro da Yakuza é o seu corpo tatuado através de uma prática artesanal conhecida como Irezumi. Esta prática é visto como um sinal de bravura devido à dor que o método inflige. Por outro lado, devido à sua associação com a máfia, muitas piscinas públicas e parques aquáticos proíbem a entrada de pessoas tatuadas.

Muitas repartições públicas também não aceitam trabalhadores com tatuagens pelo mesmo motivo. Embora o número de pessoas tatuadas sem vínculo com a máfia seja bastante significativo, o estigma continua e a tatuagem pode ser um obstáculo para muitos cidadãos na hora de encontrar um trabalho.

7. Exame escrito

Em 2009, a facção Yamaguchi-gumi criou um exame de 12 páginas para os seus membros. O movimento veio depois que o governo aprovou leis mais duras contra o crime organizado. O teste foi a tentativa do grupo para ter certeza de que os membros estão cientes sobre as novas leis e assim evitar problemas.

O teste verifica o conhecimento dos membros sobre os detalhes das “atividades” que são permitidas ou proibidas. Com um bom conhecimento da lei  anti-crime, os líderes tem condições de orientar melhor os seus subordinados sobre as práticas realizadas, evitando que todo o grupo sofra consequências do ato.

8. Sanja matsuri

Sanja Matsuri é um dos maiores festivais de Tóquio, realizado anualmente no templo Senso-ji, localizado no bairro de Asakusa. Muitos participantes desse festival são membros da Yakuza. No dia a dia, os membros não costumam exibir suas tatuagens, mas no festival, eles são autorizados a faze-lo.

Além da participação no festival, alguns dos mikoshi (uma espécie de (santuário portátil) que se apresentam durante o festival são financiados por alguns grupos da máfia japonesa. Alguns dos mikoshi podem pesar cerca de uma tonelada e custam em média 500 mil dólares (cerca de 40 milhões de ienes).

9. Bob, o construtor

Ao ser exportado para o Japão, o personagem Bob, o construtor teria que ter cinco dedos ao invés do original com quatro dedos. Tudo isso, porque o personagem era associado com à prática do Yubitsume, onde membros da Yakuza tem a ponta do dedo mindinho cortado como forma de punição.

10. Solidariedade durante o tsunami de 2011

Quando o tsunami atingiu o Japão em 2011, a yakuza estavam entre os primeiros a ajudar as vítimas das áreas afetadas, antes mesmo do governo japonês. Grupos da máfia Yakuza entregou comida, água, cobertores e artigos de higiene pessoal para centros de evacuação no nordeste do Japão.

E não foi a primeira vez que a máfia demonstrou esse gesto de solidariedade. Em 1995, quando um terremoto atingiu Kobe, a quinta maior cidade do Japão, a Yakuza prestou socorro às vítimas, levando suprimentos em scooters, barcos e até helicóptero nas áreas atingidas pela grande catástrofe.

11. Prótese para ex-integrantes da Yakuza

Muitos membros que resolvem abandonar a Yakuza, tem problemas em se encaixar na sociedade, especialmente aqueles que perderam o dedo mindinho durante o ritual Yubitsume. A fim de oferecer uma vida normal e sem discriminação a essas pessoas, alguns fabricantes criaram uma prótese.

A falta desse membro é imediatamente associada à facção criminosa e através da prótese de silicone, cuidadosamente moldada e com aspecto muito realista, muitos ex-integrantes da máfia tem a chance de se reintegrar à sociedade como cidadãos de bem e assim, definitivamente começar uma nova vida.

A empresa Tokyo Aiwa gishi fez as próteses para mais de 300 ex-membros do yakuza, mas a empresa não se restringe apenas a esses clientes, ajudando também pessoas que nasceram sem dedos ou que o perderam em um acidente. Porém o preço da prótese é um pouco salgado. Custa cerca de 200.000 ienes.

12. Atividades ilegais da Yakuza

A Yakuza é responsável por praticamente todos as atividades ilegais no Japão. Isso inclui espionagem, tráfico de entorpecentes e armas de fogo, jogos (pachinko), agiotagem e extorsão. Gerencia a prostituição, trazendo escravas sexuais da Rússia, China e outros países asiáticos como Filipinas e Tailândia.

Entre suas atividades ilegais está o Sokaiya, um método de chantagem praticada em larga escala. Essa prática envolve a compra de ações de uma empresa, o suficiente para levá-los à uma assembléia de acionistas. Antes, porém, membros da máfia fazem uma pesquisa detalhada sobre a empresa a fim de descobrir incidentes de má conduta ou outros segredos empresariais.

Muitas vezes, eles inventam fatos e forjam provas a fim de comprometer ainda mais a empresa. E para manter sigilo, evitando que um escândalo veia à tona, a máfia chantageia a empresa, extorquindo muito dinheiro dela. E tudo isso é feito por baixo dos panos e as ameaças são feitas de uma forma indireta.

13. Olympus e Yakuza

A Olympus Corporation é uma empresa japonesa de equipamentos ópticos. Fundada por Takeshi Yamashita, começou suas operações em outubro de 1919 produzindo microscópios e termômetros, destacando-se atualmente no mercado de câmeras digitais e equipamentos médicos e científicos.

Em 2011, o CEO da empresa Tsuyoshi Kikukawa foi demitido sob a alegação de que ele pagou cerca de 1,6 bilhões de dólares à uma das principais organizações criminosas do mundo e a maior desde sempre no Japão, a Yakuza.

O escândalo percorreu o mundo em capas de jornais e nas principais estatais de TV. Algo parecido ocorreu em 1994, quando Juntarō Suzuki, vice-presidente da Fujifilm (empresa multinacional também japonesa) foi assassinado com uma Katana (arma branca típica japonesa) por ter recusado a pagar subornos.

14. Yakuza na política

Em 2012, o ministro da Justiça do Japão, Keishu Tanaka, foi forçado a renunciar ao cargo após descobrirem sua ligação com a yakuza. No entanto, a máfia tem influência na política japonesa desde sempre. O primeiro-ministro Nobusuke Kishi, por exemplo, esteve fortemente envolvido com a Yamaguchi-gumi.

Em 1971, Kishi, juntamente com outros políticos, pagaram a fiança de um líder da Yamaguchi-gumi, condenado por assassinato. Ele também participou de funerais e casamentos yakuza. Além disso, é comum ver membros da Yakuza como seguranças ou operando campanhas políticas durante as eleições.

Além disso, as gangues Yakuza são capazes de garantir um determinado número de votos para o seu candidato favorito. O presidente de uma gangue de yakuza em Kyoto, por exemplo, forneceu 30 mil votos para eleger um governador. Pelo menos quatro outros primeiros-ministros têm sido associados a yakuza, mais notavelmente Noboru Takeshita, que chegou ao poder em 1987.

15. Revista Yakuza

A Yamaguchi-gumi criou uma revista oficial chamada Yamaguchi-gumi Shinpo para seus membros. Na revista estão incluídos poesias haiku e artigos sobre pesca. A revista, que não está disponível publicamente, mas tem o objetivo de mencionar os valores tradicionais da Yakuza, como lealdade e disciplina.

O número de membros da organização tem diminuído e a revista foi uma forma de impulsionar a moral e tentar diminuir a imagem negativa que as pessoas tem da máfia, especialmente após um conflito em Kyushu, envolvendo outros grupos de yakuza, em que “civis” inocentes estavam entre as vítimas.

A revista também é uma tentativa da Yamaguchi-gumi para atrair novos membros, mostrando à população que trata-se de uma organização antiga que defende os valores tradicionais japoneses e que seus membros não são um bando de bandidos violentos como os que participaram do conflito em Kyushu.

16. Síndrome de Hobbin Wood

Alguns membros da máfia japonesa acredita ser descendentes do kabuki-mono, samurai do século XVII, que serviam o Shogun durante a era Tokugawa (um dos períodos mais pacíficos da história do Japão). Muitos deles tornaram-se ronin e se enveredaram no mundo do crime, passando a viver em comunidades dedicadas à gestão de jogos de azar e outras atividades ilegais.

Muitos gostam de proclamar-se como descendentes dos “Yokko-machi (servos da cidade), heróis que defendiam os pobres e os camponeses durante a Idade Média no Japão. Esses conceitos românticos da vida criminosa fazem com que a organização acabe ganhando uma imagem positiva por parte da população.

17. Yakuza no cinema

Pra quem gosta de filmes, existem boas opções sobre esse tema. Alguns dos clássicos são: “Bakuto Gaijin Butai” (título em português: Guerra de Gangues em Okinawa), de Kinji Fukasaku, mesmo diretor da série “Batalhas Sem Honra e Humanidade”, produzido em 1973 e abordando o mesmo tema.

Mais sugestões de filmes clássicos: “Sonatine” (título em português: Adrenalina Máxima), de Takeshi Kitano, produzido em 1993, “Kawaita Hana” (título em português: Flor Seca), de Masahiro Shinoda, “Koroshi no Rakuin” (título em português: A Marca do Assassino), de Seijun Suzuki, “Showa Zankyo-den” (título em português: Contos Brutais de Honra), de Kiyoshi Saeki, “Sussho Iwai” (título em português: Os Lobos), de Hideo Gosha.

Esses 6 filmes sobre a máfia japonesa estão reunidos em uma coletânea chamada “Cinema Yakuza” e pode ser adquirido na Livraria Cultura.


Link do vídeo (YouTube)

Referências: Wikipedia, Listverse, Japan Today, Techeblog, Tokyoezine

Quer Aprender Japonês?

7 Comentários

  1. haku

    Equipe Japão em foco,tenho uma dúvida,meio idiota,mas uma dúvida.Já que o governo japonês tem tantas informações sobre a Yakuza, e sabem quem estão no comando da máfia,porque não simplesmente prendem eles?

  2. Richard

    Haku, acho que essa mesma pergunta poderia ser feita usando como exemplo a corrupção no Brasil, a Maçonaria nos EUA (não que os templários sejam ruins, muito pelo contrário, é um fraternidade, mas exercem muito domínio político e socio-econômico no país e no mundo) ou o Estado Islâmico no Oriente Médio. O governo possui muitas informações à respeito, pode prendê-los por praticar diversos crimes, mas infelizmente precisam “dançar conforme a música”, se é que você me entende.
    P.S.: Aquele ali na última foto à direita é o Honda? Rsrsrsrsrsrsrs’.

  3. Marcos

    Isso é um assunto muito delicado e barra pesada, mas deixa ver se consigo explicar para todos, que entendam a importância deles na sociedade japonesa.
    A Yakuza está presente em todas as situações que permitam brechas na lei, seja uma sonegação fiscal, tráfico de influência na política, suborno, superfaturamento de obras, agiotagem, lavagem de dinheiro e etc….Por exemplo: se este escândalo na Petrobrás fosse no Japão, seria obra de membros da Yakuza infiltrados nas empresas e governo. Além disso eles promovem a ordem nas cidades e bairros, qualquer bagunça que cause incômodo e pode motivar a vinda da polícia no local, eles resolvem na base da conversa ou na porrada, cobram a “segurança” de comerciantes e empresas mas em caso de acidentes, doenças eles ajudam de verdade a população.
    Lá o crime é organizado de verdade e compostos de membros que morreriam pelo Japão.
    Deixo claro que não estou defendendo este tipo de gente, tanto que existem pessoas extremamente perversas nessas organizações e muitas pessoas sofrem na mão deles, mas eles são parte da cultura japonesa e jamais deixarão de existir.

  4. Ricardo

    com relação ao item 10) Solidariedade, há uma meia verdade, pois como vivem de cobrar proteção,vender bebida, prostituição, jogos, empréstimos, etc, quanto mais demorar para uma região se recuperar, mais vai demorar para poder ganhar dinheiro, mas a ajuda nunca sai de graça. Imaginem a região que ficou contaminada com a radiação em Fukushima, o grupo yakuza que dominava a área perdeu
    aquela renda financeira

  5. ruan

    deveria chamar iacu kkkkkkkkkk

  6. Lucas

    Simples, porque a Yakuza tá infiltrada inclusive dentro do governo Japonês kkk

  7. Cito este artigo no meu blog: Creio que acabei de publicar o artigo mais inteligente impopular para a opinião e publica de ética, deontologia e moralidade inferior de Portugal, Itália, Japão e Inglaterra: http://usa-onu.blogspot.com/2017/07/descobridores-e-traficantes-de-escravos.html, “Descobridores e traficantes de escravos portugueses, heróis-ladrões-piratas ingleses, mafiosos italianos, nazistas alemães, KMJ=Kamikazes-Mafiosos-Yakusa-Japoneses-NRHood-&-NRGood”, … Cada país teve ao longo da sua História o seu momento de maior glória, por vezes mesmo o primado mundial. Mas não há momento de glória de nenhum país que não seja considerado uma vergonha noutro tempo e lugar, por outras pessoas.
    Quando Portugal estava no auge mundial com os descobrimentos, foi sem dúvida a maior glória da sua história para a grande maioria dos historiadores. Mas entre a primeira e segunda guerra mundial, nasceu um movimento popular, ético, cultural, deontológico, político e judicial de protesto contra as colonizações, racismos e escravaturas. Alguns pensam que Portugal foi a maior vergonha dos descobrimentos, colonizações e comércio de escravos. Em particular da costa africana, Guiné, Senegal, Cabo Verde, etc., para o Brasil. … Os piratas ingleses esperavam à entrada de Lisboa os barcos dos portugueses provenientes da India, cheios de preciosidades orientais, matavam os portugueses e roubavam tudo para o vender na Inglaterra com o apoio da política inglesa, justiça e opinião pública daquele tempo. Imagino que nenhum pirata inglês, assassino de 1, 10, 100 ou responsável da morte de milhares de portugueses foi condenado à prisão pela justiça inglesa… . Robin Hood é o mais famoso ladrão da literatura … Os Kamikazes-Mafiosos-Yakuza são, (ou foram), vistos por muitos japoneses como heróis positivos e por outros como criminosos negativos…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *