Manifestação em Tóquio contra Usina de Fukushima

Tóquio –Milhares de pessoas marcharam pelas ruas de Tóquio neste domingo, pedindo fim ao uso da energia nuclear, ao invés do trabalho contínuo para estabilizar uma usina nuclear conturbada.

Os manifestantes, incluindo famílias com crianças pequenas e os membros de grupos de consumidores, trabalho e feministas, carregavam cartazes com slogans anti-nucleares e gritavam “Não precisamos de Fukushima!” “Não às usinas nucleares”.

“É hora de pensar em outra alternativa de energia que a energia nuclear”, disse o manifestante Etsuko Nikiori, 40.
“Eu aprendi sobre a manifestação através do Twitter”, disse outro manifestante de 43 anos de idade, que havia trazido os seus filhos com idades entre dois e seis anos.” Eu quero fazer todo o possível para impedir a indústria de energia nuclear, não por nossa causa, mas para o bem das nossas crianças. “

Tóquio está a cerca de 140 quilômetros a sudoeste da usina Fukushima Dai-ichi.
Marchando através da sede do governo e da Agência de Segurança Nuclear, os manifestantes gritavam “Não vamos mais ser enganados.”

Últimas notícias sobre terremoto e tsunami

Enquanto isso, 250 mil famílias no nordeste do Japão ainda continuam sem água encanada e energia elétrica neste domingo. O número de desabrigados aumentou em razão do último terremoto de magnitude 7,1 nesta quinta-feira (dia 7 de abril) que matou três pessoas e sacudiu os nervos, mas não causou tantos estragos como o terremoto do dia 11 de março.

Mortos , desabrigados e desaparecidos

O primeiro-ministro Naoto Kan fez outra visita a Sendai nesse domingo, prometendo funcionários em uma cidade que dependem da pesca que seu governo fará o que for possível para ajudar.

Kan visitou Ishinomaki, uma cidade costeira de 163 mil pessoas em Miyagi, um dos locais mais atingidos pelo terremoto de 11 de Março e do tsunami que matou mais de 25.000 pessoas, destruiu quilômetros de litoral e deixou milhares desabrigadas.

“O governo fará todo o possível para ajudá-los”, afirmou Kan, vestido com roupa azul do trabalho de resgate, “Vamos apoiá-los, para que possam retomar a pesca.”

Prefeito de Ishinomaki, Hiroshi Kameyama lhe disse que o governo precisa construir rapidamente casas temporárias para os 17.000 habitantes da cidade que perderam os deles e estão vivendo em abrigos.

Mais de 2.600 pessoas de Ishinomaki foram mortos no desastre e outro 2.800 estão desaparecidas.

Os barcos também foram destruídos, a indústria de pesca, hoje incapacitante, representavam 40 % da economia da cidade.

“Um mês depois do terremoto e do tsunami, muitas pessoas ainda estão desaparecidas”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa japonês Norikazu Muratani. “Nós gostaríamos de fazer o nosso melhor para encontrar corpos de suas famílias.”

Apenas 13.000 mortes foram confirmadas até agora, e muitos corpos provavelmente foram arrastadas para o mar e nunca serão encontrados.

Situação de Fukushima

Trabalhadores no complexo de Fukushima passaram o mês passado trabalhando freneticamente para conter o vazamento radioativo que sai dos reatores nucleares e assim restaurar os sistemas de refrigeração, mas eles ainda têm um longo caminho a percorrer.

“Eu gostaria de pedir desculpas do fundo do coração sobre as preocupações e problemas que estão causando para a sociedade devido à liberação de substâncias radioativas na atmosfera e na água do mar”, disse Sakae Muto, vice-presidente da operadora da usina nuclear.

Quer Aprender Japonês?

1 Comentário

  1. Adorei seu site ! Aproveito para manifestar meus sentimentos e todo meu respeito por esse Povo que devia ser exemplo para muitos! Deus abençõe a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *