O Ginkgo na Cultura Japonesa

Icho Namiki - Santuário Meiji

Ginkgo biloba na Cultura Japonesa
O ginkgo biloba é a árvore nacional da China e também tem um grande significado na cultura japonesa. É considerado um símbolo de longevidade, esperança, superação e paz. Suas folhas em forma de leque são muito apreciadas por sua beleza e por isso estão muito presentes em poemas, literatura, cerâmica, pintura, etc.

A longevidade, é sem dúvidas, uma de suas maiores características: Uma árvore ginkgo biloba pode viver mais de 2 mil anos. Também ganhou o apelido de “fóssil vivo” por ser considerada uma das árvores mais antigas do mundo. Também é conhecida como “portadora da esperança”, por ser uma das poucas árvores sobreviventes em Hiroshima, após o bombardeio atômico de 1945.

Isso se deu pelo fato do Gingko ser uma árvore que resiste às intempéries climáticas e pressões ambientais das áreas urbanas. Talvez por isso essa árvore tenha sido escolhida para ornamentar tantas ruas no Japão como o Icho Namiki (Avenida Ginkgo), localizado no jardim do Santuário Meiji, em Tóquio.

Ichou (ginkgo)

O Icho Namiki se caracteriza por um túnel com mais de 65 mil árvores Gingko biloba. No outono, suas folhas ganham uma coloração dourada, deixando o cenário ainda mais incrível.

Com certeza vale a pena ir até o Santuário Meiji durante o Koyogari para apreciar esse belo e indescritível túnel dourado.

Pra quem quiser visitar o Icho Namiki (Avenida Ginkgo), fica apenas um quarteirão da Estação de Metro Aoyama Ichome. A melhor época para apreciar as folhas douradas de ginkgo é durante o mês de novembro.

Origem do Gingko no Japão

Segundo a Universidade de Ohio, as árvores Ginkgo biloba já existem na Terra há mais de 150 milhões anos. Os cientistas acreditavam que a espécie estava definitivamente extinta, até que séculos atrás, alguns pesquisadores descobriram espécimes de Ginkgo em jardins de templos budistas na China.

E foi através de sementes trazidas por monges budistas chineses que o gingko chegou ao Japão por volta do ano 1192 dC, sendo plantadas perto dos templos. Muitas dessas árvores estão vivas até hoje e por isso passaram a ser admiradas e reverenciadas por sua resistência e longevidade.

Ginkgo na alimentação

Frutas da árvore ginkgo

Fonte da Imagem: http://www.wqed.org/

O Ginnan (nozes do Ginkgo) ajudam na digestão e no combate de várias doenças. O Ginnan também é utilizado na confecção de doces e sobremesas, servidos em cerimônias de chá. A partir do período Edo (1600-1867), o Ginnan se tornou um ingrediente para a confecção de Tsukemono (picles japoneses) ou então assadas para serem consumidas com saque. Também estão presentes em pratos quentes de inverno como chawan-mushi e nabe-ryori.

No Japão também são encontrados o Ginnan em forma de suplementos dietéticos que dizem aumentar a memória e melhorar as atividades mentais. O Ginkgo também é muito apreciado como bonsai (árvore em miniatura).

Gingko na Literatura e nas Artes

Folhas Ginkgo Biloba

Fonte da Imagem: http://commons.wikimedia.org/

A folha de gingko se caracteriza por dois lóbulos repartidos no meio e por essa razão é retratada como um símbolo da dualidade e do amor em muitas obras de arte e literatura. Li Shizhen, um dos maiores naturalistas chineses de todos os tempos, relata que a folha do ginkgo retrata a ideia de yin e yang.

No Japão, existem várias lendas e romances sobre o ginkgo. A primeira vez que o ginkgo apareceu na literatura japonesa foi em 1530, no diário de viagem do poeta Socho, onde ele escreveu sobre ter dado a alguém um punhado de folhas amarelas de ginkgo juntamente com um poema waka.

Desde a Idade Média, o ginkgo está presente em diversos poemas Haikai ou Haiku e também se tornou um símbolo em cerâmicas, lacas, esculturas, pinturas, vasos, portas, bandeiras, quimonos, templos, santuários, lápides, cristas de famílias, espadas e outros acessórios de samurais.

Vídeo da Avenida Ginkgo em Tóquio

Assistam a esse vídeo do Icho Namiki (Avenida Ginkgo).
Simplesmente mágico!!! 😉

Link do vídeo (YouTube)

Referências: Janmstore, Badger

Quer Aprender Japonês?

1 Comentário

  1. Bruno Rogerio

    Olá, tudo bem?

    Gostaria de primeiro agradecer pelo blog, sou um frequentador assíduo!

    Segundo, gostaria de deixar como sugestão que você falasse um pouco mais da cultura japonesa voltada para a busca da perfeição e melhoria contínua. Também sobre a filosofia, e costumes, como por exemplo uma correlação entre a cultura e os esportes marciais, como o judo, etc…

    Muito obrigado novamente.

    Bruno Rogerio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *