Curiosidades Sobre a Katana, a Espada Japonesa

Curiosidades Sobre a Katana

Curiosidades sobre a Katana, a espada japonesa

A Katana, espada usada pelos samurais durante o período feudal japonês é sempre alvo de muita curiosidade. Neste artigo, resolvi reunir alguns mitos, lendas, fatos e curiosidades a respeito dessa incrível e lendária espada japonesa, criada quase 2 mil anos atrás.

Antes da espada Katana ter sido criada, os cavaleiros medievais japoneses utilizavam uma espada chamada “chokuto”, que era essencialmente uma versão reduzida de uma espada com lâmina reta. Com o desenvolvimento de técnicas de fabricação de espadas, o samurai passou a utilizar espadas curvas, surgindo assim a katana.

Por ser a mais emblemática dentre todas as armas de um samurai, a katana passou a exercer um certo fascínio no mundo ocidental. Com esse fascínio, surgiram também muitas histórias e lendas a seu respeito, nos quais muitas delas são na verdade apenas mito, pois não condizem com a realidade.

Algumas curiosidades sobre a Katana:

1. A Katana era a extensão da alma de um samurai

A katana era muito mais do que uma arma para um samurai: era a extensão de seu corpo e de sua mente. Forjadas em seus detalhes cuidadosamente, desde a ponta, até a curvatura da lâmina, eram trabalhadas totalmente a mão. Assim, os samurais virtuosos e honrados faziam de sua espada, uma filosofia de vida.

Para o samurai, a espada não era apenas um instrumento de matar pessoas, mas sim uma forma de fazer a justiça e ajudar as pessoas. A espada ultrapassava seu sentido material; simbolicamente, era considerado como um instrumento capaz de “cortar” as impurezas da alma e da mente.

2. Não era a única arma de um samurai

Um samurai, usava várias armas além da katana, como a wakizashi, outra espada similar, porém com a lâmina mais curta. Essas duas espadas, que juntas chamavam-se “daisho”, eram as armas mais importantes de um samurai e representavam a sua honra e seu poder social e honra pessoal.

O Katana por ter a lâmina mais longa era usada para o combate aberto, enquanto que a wakizashi, por ser mais curta era usada mais para esfaquear ou decapitar seus adversários. Já o tantô, uma espada ainda menor era usada para a prática do seppuku, um ritual de suicídio comum na classe samurai.

Outra arma tradicional comum entre os samurais era o “yumi”, uma espécie de arco e flecha, hoje em dia visto em apresentações de Yabusame. Quando a pólvora foi introduzida no século 16, o samurai passou a utilizar canhões e armas de longa distância. Tanegashima, uma espécie de rifle foi uma das armas que mais se destacou entre os clãs samurai do Período Edo.

3. Eram feitas de forma artesanal

Antigamente, o processo de fabricação de uma katana era bem complexo por ser 100% artesanal. Isso explica porque essas espadas eram muito caras. São feitas com diferentes tipos de aço e durante o processo de aquecimento, as lâminas são cobertas com uma argila que isola a parte mais espessa.

Já a ponta da lâmina é aquecida ao mais alto grau (cerca de 800 °C). Durante o processo, a sujeira é retirada do aço e depois resfriado rapidamente para que o metal fique devidamente endurecido. A espada é então polida por um longo período (até três semanas) usando pedras específicas para esse fim.

No Japão ainda há artesãos que fazem espadas japonesas no estilo tradicional. Geralmente, as técnicas de fabricação tradicional são passados de geração pra geração. Se quiser conhecer o processo artesanal de fabricação de uma Katana, assista o documentário produzido pelo National Geographic:


Link do vídeo (YouTube)

4. Cada lâmina tem um perfil único

A bainha de uma katana é chamada de “saya” e a parte onde se pega, o cabo, é chamado de “tsuba”, onde aparece detalhes ornamentais que permitem aderência chamados de “menuki”. “Habaki” seria a junção da lâmina com a tsuba e “fuchi” seria o círculo que fica próximo ao habaki.

Cada lâmina tem um perfil único, dependendo do tipo de fabricação. Muitas possuem o shinogi, uma saliência no meio da espada. Cada espada tem também tem uma ponta que pode se diferenciar uma da outra. Pode ser longa (okissaki), média (chukissaki), curta (kokissaki), ou virada para trás (ikuri-okissaki).

Algumas marcas na lâmina são puramente estéticas, com dizeres em kanji e gravuras gravadas retratando deuses, dragões e outros seres místicos, chamados de horimono. Existem ainda muitos Katana ornamentais, que tem o objetivo apenas de ser usado como peça decorativa em um ambiente.

5. Katana é uma forma de arte no Japão

No Japão, existem algumas escolas que ensinam a arte de ornamentar uma katana de forma artesanal. Apesar das espadas japonesas terem perdido espaço no campo de batalha com a utilização de armas de fogo de longo alcance, sua popularidade continua e são apreciadas como verdadeiras obras de arte.

6. Uma Katana é capaz de cortar qualquer coisa?

Muitas lendas dizem que uma espada samurai é capaz de cortar qualquer coisa, inclusive um lenço de seda que cai sobre sua lâmina. Na verdade, isso é mito pois para que isso fosse possível, a borda da espada teria que ser muito fina, o que a tornaria muito frágil a ponto de se quebrar facilmente.

Para um guerreiro samurai, uma katana afiada a ponto de cortar um lenço não seria nem um pouco prática e não teria muita serventia em uma batalha, afinal, suas vidas dependiam da durabilidade e qualidade de suas armas.

Outras histórias dizem que uma katana é capaz de atravessar uma armadura, mas na verdade, os samurais eram ensinados a atacar os pontos mais fracos do seu oponente durante os combates como articulações que ficavam de fora da armadura ao invés de atacar locais protegidos como capacete ou peitoral.

Também há quem diga que uma Katana pode cortar uma outra espada ao meio. Pode acontecer, embora seja muito difícil. Na verdade, qualquer espada de aço corre o risco de quebrar, dependendo do ângulo que for atingida.

7. Uma Katana é indestrutível?

Existe o mito de que uma espada japonesa é indestrutível, mas não podemos esquecer de que a katana, embora de uma qualidade impressionante, trata-se de artefato de metal e sendo assim, está sujeita ao desgaste natural decorrente do tempo ou do uso prolongado, assim como qualquer outra espada.

Mas que é uma espada muito resistente, isso não há sombras de dúvidas. No vídeo abaixo, você pode ter uma noção ao ver um confronto de uma arma de fogo contra uma katana… Quem será que vence esse combate?


Link do vídeo (YouTube)

Referências: wa-pedia, trueswords

Quer Aprender Japonês?

4 Comentários

  1. Elisa Bebiano

    Sou apaixonada com katana, ainda viu ter uma :p
    Obrigada pelas curiosidades, tinha muita coisa que nao sabia

  2. Paulo Kyochi Sasaki

    muito bom! a katana cortou muitos projeteis antes de quebrar

  3. Muito legal. Gostei do lance de se fazer uma katana no japão, será que é um curso muito extenso?
    Lembro que vi um tutorial cosplay que a pessoa ensinou a forjar a katana da personagem Maya do Tenjou Tenge. SImplesmente épico, mas para eventos nunca compensará pois objetos assim não são permitidos de circular.

  4. Perfeito <3

  5. Thiago Colás

    Só uma coisa: cortar uma bala é fácil. A bala é de chumbo, um betal mole o bastante pra ser arranhado com a unha, e ainda sai da arma superaquecida, o que a amolece ainda mais, a ponto de ser deformada pelo impacto com ossos e até mesmo órgãos do corpo humano.

  6. Mauro A. Barreto

    Acho que a dificuldade não estaria na dureza da bala, mas sim na dificuldade em atingi-la após o disparo…

  7. Thiago Colás

    Realmente seria, mas não é isso que o video mostra.

  8. José Flávio Retkwa

    Os projéteis usados em fuzis, metralhadoras e em armas como o calibre .50 geralmente possuem uma “jaqueta metálica” que reveste metal mais denso do projétil, o que aumenta o poder perfurante destes, o projétil sai com alta temperatura quando é ejetado para fora, mas não a ponto de se fundir, atualmente as ligas de metal utilizadas para fins bélicos possuem valores que passam dos 1000º Celsius (ponto de fusão da liga metálica), embora haja um momento que dura milésimos de segundo em que a temperatura dentro da alma da arma ultrapasse a casa dos 1000º Celsius, literalmente não sobra tempo para que a maioria do calor da explosão seja transferido para o projétil, sendo dissipado em maior parte para o cano da arma já que este possui uma área de contato maior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *