Veja como está a área devastada pelo tsunami atualmente


tsunami 2011

Cinco anos depois, veja como estão algumas áreas atingidas pelo tsunami

Dia 11 de março marca o aniversário de 5 anos do grande Terremoto e Tsunami de Tohoku, que causou milhares de mortes e destruição, além do desastre nuclear de Fukushima Daiichi, considerado o maior desastre desse gênero depois de Chernobyl. Além das 18.000 vítimas do desastre, cerca de 300.000 pessoas tiveram que sair de suas casas por causa do vazamento radioativo.

O Terremoto de magnitude de 9.0 foi um dos mais devastadores na história do Japão. O Tsunami que acarretou ondas com mais de 10 metros de altura, engoliu muitas cidades costeiras do país, especialmente na região nordeste. Durante muitos meses, essas cidades sofreram com a devastação, falta de energia elétrica, água e comida. Mas como estão essas cidades hoje em dia?

Confira 10 imagens que mostram esses locais algumas horas após o desastre e cinco anos depois. Muitos deles ainda hoje sofrem com as consequências do desastre, como as áreas em Fukushima onde são registrados elevados índices de radiação, impedindo o retorno dos moradores.

Cidade Higashimatsushima, em Miyagi em 2011 (à esquerda) e 2016 (direita).

O terremoto teve início às 14:46 (hora local). Cerca de uma hora depois, o tsunami invadiu a costa nordeste. Uma das cidades mais devastadas foi Kesennuma, Província de Miyagi.

Cidade de Kesennuma, em Miyagi em 2011 (à esquerda) e 2016 (direita)

A cidade de Natori, na província de Miyagi foi uma das cidades mais atingidas. Embora alguns cientistas japoneses tivessem previsto que ocorreria um terremoto na região nordeste, eles não imaginaram que seria tão forte e nem que desencadearia um tsunami em tão grande proporção como ocorreu.

Cidade de Natori, em Miyagi em 2011 (à esquerda) e 2016 (direita)

A cidade de Rikuzentakata, em Iwate foi engolida por ondas que chegaram a 12 metros de altura.

Cidade de Rikuzentakata, em Iwate em 2011 (à esquerda) e 2016 (direita)

1.700 pessoas que estavam no local perderam suas vidas.

Em alguns lugares, as ondas chegaram a 40 metros de altura.

A cidade de Naraha foi duramente atingida pelo desastre nuclear na Usina Fukushima Daiichi. Entre os dias 12 e 15 de março de 2011, três grandes explosões nucleares ocorreram no local, por causa de uma falha no sistema de arrefecimento. O governo japonês já gastou 13,5 bilhões de dólares para descontaminar a área, mas há ainda muita coisa que precisa ser feita.

Cidade de Naraha, em Fukushima em 2011 (à esquerda) e 2016 (direita)

A Usina Nuclear Onagawa era mais próxima do epicentro do terremoto em relação à usina nuclear de Fukushima, no entanto as montanhas ao redor ajudaram a evitar inundações.

Em 2013, a Tokyo Electric Power Company (TEPCO) informou que diariamente cerca de 300 toneladas de água radioativa vazava para o Oceano Pacífico.

O tsunami causou um grande impacto no Japão e no mundo todo. Seus efeitos puderam ser sentidos na Antártida, Alasca, Havaí e Chile. Mesmo cinco anos depois, o desastre ainda tem impactado o planeta.

Fonte: Business Insider

Quer Aprender Japonês?

3 Comentários

  1. Incrível, nem parece que aconteceu esse desastre, realmente as coisas lá andam rápido, agora fiquei imaginando uma coisa dessa acontecendo aqui no Brasil, se aqui demora anos pra finalizar projetos, imagina se recuperar de uma catástrofe dessa escala.

  2. Aqui, começaram uma única rodoviaria municipal há 3,5 anos e ainda não terminaram… Isso é um exemplo de Brasil. Isso quando não superfaturam as obras, como “gastarem” R$ 266.000 para trocar o piso de uma pracinha e colocar mei a dúzia de postinhos (isso pq não mexeram nem o gramado e nem nas árvores)!

  3. Leonardo Takeshi

    essa é a grande diferença de viver aqui no japão , o dinheiro arrecadado com impostos são , convertidos em obras municipais e estatais , e uma boa parte dessa arrecadação é para ajudar os idosos e portadores de deficiencia fisica , coisa que no BRASIL está muito longe de acontecer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *