Novos tremores de terra e radiação trazem preocupação para o Japão


Fukushima usina

Dois fortes terremotos de 6 e 5,8 graus ocorreram hoje (dia 23) em Fukushima, segundo a televisão japonesa NHK o terremoto de 6 graus, foi registrado às 07h12 hora local japonesa e seu epicentro foi ao sul da província de Fukushima.

Logo após o terremoto as autoridades japonesas disseram que não havia perigo de tsunami.
O tremor foi sentido em uma escala de 5 graus em Hamadori e Ibaraki.
A NHK disse que o terremoto durou cerca de 20 segundos e fez paralisar o Shinkansen Tohoku entre Oyama e Nasu até que os trilhos fossem checados.

Cerca de 24 minutos após o terremoto de 6 graus, foi registrado outro de 5,8 graus na mesma zona, desta vez o epicentro foi a 10 quilômetros de profundidade nas proximidades de Hamadori e que também não gerou nenhum alerta de tsunami.

Durante a tarde uma espessa fumaça escura foi vista saindo do danificado reator 3 da usina. Não há ainda informações sobre as causas da fumaça, informou a Tokyo Electric Power Company (Tepco), a operadora da central atômica.
O perigo de uma nova explosão fez com que os operários que trabalhavam no reator 3 da usina nuclear de Fukushima Daiichi fossem retirados do local. A unidade 3 é uma das mais perigosas, porque funciona com uma mistura de urânio e plutônio.

Alimentos e água contaminados com radiação

Os níveis de iodo radioativo encontrado na água e em diversos alimentos no Japão preocupam os japoneses.
As autoridades de saúde estão alertando a população para que evite dar água diretamente da torneira para crianças e bebês com menos de 1 ano após detectarem níveis anormais de radiação.
Em bebês, esses níveis de radiação já podem trazer riscos para a saúde.

O Ministério da Saúde japonês informou hoje (dia 23) que substâncias radioativas acima do limite legal foram encontradas por autoridades sanitárias em 11 tipos de vegetais da província de Fukushima, incluindo brócolis, espinafre e salsa e repolho.

O ministro da Saúde fez um alerta à população para que não consuma dos 11 vegetais produzidos na província, por tempo indeterminado. E já está distribuindo pílulas de iodo para a população de risco, pra suprir essa dose e impedir o corpo de absorver o iodo radioativo. Ingerindo-se comprimidos de iodo não radioativo o corpo concentra, naturalmente, iodo na tireóide e assim não absorve o iodo nocivo.

alimentos contaminados

alimentos contaminados

Segundo o ministro, se uma pessoa comer 100 gramas de um desses vegetais com alta presença de substâncias radioativas por dez dias, vai ingerir o equivalente ao total de radiação que uma pessoa é normalmente exposta em um ano. Esses problemas em torno dos alimentos contaminados, afetou também as exportações para os EUA, que decretou a proibição da importação direta de certos alimentos produzidos no Japão em razão da crescente contaminação radioativa após o acidente nuclear no complexo de Fukushima.

A FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos) órgão que regula todas as importações de alimentos, proibiu a entrada nos EUA de leite e derivados, verduras e frutas frescas das prefeituras japonesas de Fukushima, Ibaraki, Tochigi e Gunma, que serão submetidos a testes de contaminação radioativa.

A medida ocorre no momento em que o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, proíbe o consumo de leite e verduras procedentes das prefeituras de Fukushima e Ibaraki, devido aos altos índices de radioatividade encontrados após o acidente nuclear.
Kan ordenou aos governadores das duas regiões que proíbam a comercialização do “komatsuna” (vegetal utilizado em saladas) e do brócolis procedente de Fukushima, assim como do leite e da salsa produzidos em Ibaraki

Quer Aprender Japonês?

2 Comentários

  1. Pingback: Salteadores para usina de Fukushima – Salário de US$ 5 mil dólares por 1 hora de trabalho | Dicas Brasil Japão

  2. Pingback: Crise de Identidade : Cão aprendeu a miar ao invés de latir | Dicas Brasil Japão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *