Hikikomori – Comportamento de Isolamento Extremo

Hikikomori - Comportamento de Isolamento Extremo

Hikikomori – Comportamento de Isolamento Extremo

No Japão, é comum criarem termos específicos para designar certos desvios de comportamentos dentro da sociedade. Como exemplo, podemos citar o Karoshi, o Soushoku Danshi e o Hikikomori, termos predominantes na sociedade moderna japonesa e que acabaram sendo mundialmente conhecidos.

Este fenômeno que já atinge mais de 70 mil japoneses na idade entre 15 a 39 anos, segundo o Ministério da Saúde no Japão, se caracteriza por pessoas que tem um comportamento de extremo isolamento social, passando a maior parte do dia trancados em seu quarto, isolados do mundo e sem perspectivas de vida.

Este tipo de comportamento leva a pessoa a evitar a todo custo, o contato com outras pessoas. É verdade, que os “Hikikomoris” (引きこもり) sempre existiram e não estão restritos somente à terra do sol nascente, mas nota-se que podem ser mais facilmente encontrados em países desenvolvidos e em famílias de classe média ou alta.

No Japão, a proporção desse fenômeno é de fato alarmante. Os jovens de hoje em dia foram em sua maioria criados em meio a muito conforto e tecnologia, porém sem o estímulo necessário para que tivessem uma vida social saudável, o que contribuiu para que muitos desses indivíduos acabassem com medo de enfrentar o mundo.

Hikikomori - Comportamento de isolamento extremo no Japão
Quem criou este termo foi o psicólogo Saito Tamaki e como é um grande estudioso no assunto, ele afirma que os dados fornecidos pelo Ministério da Saúde no Japão estão muito abaixo da realidade. Para o psicólogo, de 1 a 3 milhões de jovens do sexo masculino sofrem deste comportamento de extrema exclusão e isolamento social. Um número absurdo não acha? 🙁

Segundo Saito Tamaki, as causas desse fenômeno no Japão ocorre devido ao padrão de perfeição exigida pela sociedade, acarretando vários problemas como baixa auto-estima e até graves transtornos sociopáticos. Portanto, o comportamento de um Hikikomori vai muito além do cara ser simplesmente um ser “anti-social”.

Pode estar ligado diversos problemas, entre eles a timidez excessiva, depressão, ansiedade, síndrome do pânico, bipolaridade, personalidade esquizoide, entre outros transtornos. E além da pressão exercida por uma sociedade rígida, existem outras causas que podem dar origem ou agravar o problema de isolamento social.

O ijime (bullying) por exemplo, acontece com frequência durante a vida escolar ou no trabalho e pode fazer com que o indivíduo acabe se decepcionando com a sociedade como um todo, gerando um afastamento radical do convívio social com outras pessoas que o cercam, incluindo amigos de longa data e familiares.

Anime sobre Hikikomori - NHK Yousoko

Vivendo dentro de uma concha

Como é de se esperar, esse problema causa uma grande preocupação, afinal atinge uma grande parcela da população masculina. Além de serem vistos como improdutivos, sem qualquer ambição profissional, os Hikikomoris, assim como ocorre com os Homens Herbívoros, afastam qualquer tipo de relacionamento amoroso concreto, que possa resultar em casamento e uma ninhada de filhos.

Como sabemos a baixa taxa de natalidade é outro problema grave que o Japão enfrenta. Além disso, a falta de interesse em alcançar o sucesso profissional mostra que o problema atinge não só o indivíduo e sua família como também afeta o desenvolvimento econômico de um país inteiro, ainda mais se tratando do Japão que é considerada a 3° maior potência econômica do mundo.

Este é mais um exemplo de que o Japão é um país de contrastes, pois ao contrário do Karoshi, que se caracteriza por homens que valorizam o trabalho ao extremo, chegando até a pagar este preço com a própria vida, o Hikikomori se caracteriza por pessoas que não conseguem se fixar em nenhum emprego.

Outra característica do Hikikomori, sem generalizar, é que a maioria deles são muito desorganizados, não se preocupam com a aparência e nem com a higiene. Acabam vivendo como ermitões solitários imersos dentro da sua própria ilha.

Anime sobre Hikikomori - Sayonara Zetsubou Sensei
Muitos deles chegam aos 40 anos de idade ainda dependentes financeiramente de sua família. Com certeza, é uma situação muito triste, capaz de desestruturar uma família inteira. Não são pessoas que não trabalham por “vagabundagem” e sim porque realmente existe um bloqueio que os impede de ter uma vida social saudável.

Muitos até sentem vontade de mudar, de dar uma reviravolta na situação, mas não conseguem ou não tem autoestima suficiente para aproveitar as oportunidades que a vida oferece. Ao invés disso, preferem viver dentro de sua própria concha, como forma de se proteger do mundo “cruel” e “real” que fica do lado de fora.

Também é normal relacionar o Hikikomori com a Cultura Otaku, já que possuem alguns pontos em comum, como a vida solitária e o interesse em tudo que é relacionado à mangás, animes e jogos de videogames. Mas isso não é uma regra, pois há muitos casos de Hikikomoris que possuem outros tipos de interesse.

Curiosidade: O termo NEET é como chamam o Hikikomori em inglês. O termo nasceu no Reino Unido, mas seu conceito acabou se espalhando e se popularizando em outros países, incluindo Japão, China e Coréia do Sul.

Programa de assistência aos Hikikomori

Preocupados com o futuro do Japão, desde 2007, o governo japonês tem implantado um programa assistencial aos Hikikomori. As “Super Irmãs”, nome dado às assistentes sociais, interagem com estes homens através de cartas e telefonemas, estimulando-os gradualmente a terem mais contato social.

Por serem do “sexo feminino” a aceitação é melhor e muitos acabam aceitando convites para ir ao cinema, praças, shoppings e a participar de atividades sociais, culturais e esportivas. Ter uma pessoa dando apoio constante é fundamental para que os “hikikomori” consigam melhorar seu isolamento e reclusão social.

Tem um anime chamado NHK ni Youkoso, que aborda um pouco sobre assunto, embora de uma forma mais leve e divertida. A história gira em torno de Tatsuhiro Sato, um jovem de 21 anos, desempregado que abandonou a faculdade e acabou se tornando um Hikikomori (veja o primeiro capítulo legendado no Youtube). Tem outro anime chamado Sayonara Zetsubou Sensei que aborda este tema.

E você? Se considera um Hikikomori? Conhece alguém que possa ser um? Qual a sua opinião sobre esse tema tão controverso e delicado? 😉

Fonte de pesquisa: Wikipédia

Quer Aprender Japonês?

32 Comentários

  1. Douglas Bezerra

    Tomei conhecimento sobre os hikkikomoris há uns 4 anos atrás quando assisti pela primeira vez NHK ni Youkoso (foi publicado aqui no brasil, possui 8 volumes). Achei o isolamento muito extremo e fica até difícil de acreditar que há muitas pessoas que vivem nestas condições.
    NHK ni yokoso é um anime engraçado apesar do tema, recomendo. Sayonara Zetsubou Sensei também é um ótimo anime que mostra e brinca um pouco da situação.
    Abraços!

  2. vascocosta

    Obviamente houve uma falha dos pais em tentar interpretar sinais, que sao sintomas de um desconforto emocional e psicologico quando em crianca ou adolescente. A adolescencia pode ser uma experiencia perturbadora do ponto de vista da descoberta e exploracao da sua sexualidade. 😕 a solucao que proponho seria fazerem exercicio fisico e praticarem exercicios espirituais – nao necessariamente religiosos. Tambem procurarem ler tres temas de artigos de jornal por dia e falarem desse assunto como exercicio de comunicao. ❗

  3. eu tambem discobri vendo o anime

  4. Rodrigo

    NHK ni youkoso e sayonara zetsubou sensei são muito bons!
    Ouvi uma vez que alguns hikkikomori ficam tão isolados por tanto tempo, que chega a doer na pele quando eles têm contato com a luz solar novamente.

  5. Japão em Foco

    Oi Pessoal!
    Obrigada pelo comentário de vocês! 🙂
    Realmente o “Hikikomori” é um fenômeno que está se tornando cada dia mais comum ao redor do mundo. Hoje em dia, as pessoas no geral estão mais individualizadas e com o fácil acesso às tecnologias, percebo que estão se distanciando fisicamente uma das outras. Quando sentem necessidade de contato social, o fazem através da internet ou celular. Claro que muitas pessoas se sentes felizes assim e desde que o isolamento não traga sofrimento ao indivíduo, não há problema algum. O problema é que muitos deixam de trabalhar e vivem às custas da família e isso sim é um problema, pois como será quando ficarem velhos e não terem mais ninguém da família para apoia-los? Isso é realmente preocupante né! Abraços!

  6. Lucille

    Gostei muito do artigo e dos vídeos! Muito bons!
    Gostaria de saber se os Hikikomoris costumam esconder seus rostos, evitando fotos e cameras , mesmo para amigos virtuais de longa data?

    Valeu!

  7. Japão em Foco

    Oi Lucille!
    Que bom que você gostou da matéria! Quanto à sua dúvida, acredito que seja assim mesmo. Os japoneses no geral costumam ser discretos em relação à exposição na internet. Tanto que uma das razões para o Facebook não ter feito tanto sucesso por lá é o fato de terem que registrar um perfil verdadeiro. Desta forma, fica inviável se esconder atrás de um perfil fake. No caso dos Hikikomori, a coisa fica ainda mais grave, pois eles costumam ignorar o contato social com outras pessoas, mesmo pela internet e quando o fazem, geralmente se escondem atrás de apelidos e fotografias aleatórias. Abraços!

  8. Lucille

    Obrigada por responder minha pergunta!:-)

    E parabens pelo site!!! E muito legal!!
    abraços

  9. Japão em Foco

    Oi Lucille!
    De nada! E obrigada pelos elogios! Fique à vontade para perguntar ou dar sugestões ok! Abraços!

  10. Pingback: Moteki, série de mangá adaptada para a TV | Curiosidades do Japão

  11. Hito

    Neet =/= Hikikomori
    Um neet não trabalha porém não tem medo de sair de casa, um hikikomori tem medo de sair de casa e geralmente não trabalha por que a maioria dos trabalhos exigem a saída de casa.

  12. Stephany

    Como sempre, adorei o post!
    Sempre quis entender um pouco mais sobre os Hikikomori, por saber como eles se sentem, de uma certa forma, não cai nesse mundo por meus parentes constantemente me fazerem sair de casa, pois estava a um ponto de nem sair para alimentar os cachorros eu saia. É triste saber que o Japão possui muitos desses problemas, mesmo tendo uma cultura tão maravilhosa, mas nada pode ser perfeito certo?
    Ah, sobre a ajuda que eles recebem, eu fiquei curiosa sobre como eles são chamados? Normalmente são amigos ou parentes, ou até mesmo os que estão sofrendo dessa doença? Obrigada!

  13. Milton Takehana

    Eh infelizmente, e nisso que dá, quando um país como o Japão é muito rigida,
    não tem liberdade amorosa, sexual e em geral. Governo Japones abra o olho antes que seja tarde demais.

  14. Pingback: Internet Cafe + Moradia = Net Cafe Nanmin | Curiosidades do Japão

  15. Pingback: Soushoku Danshi - Os homens herbívoros japoneses | Curiosidades do Japão

  16. Hayd-chan

    puxa…então uma vez eu fui hikikomori :v ainda bem q foi por pouco tempo,eu só saia pra ir na escola,mas acho q isso não me tornou uma hikikomori…ou sim? 😯 mas mesmo assim,eu definitivamente não saia d casa :v agora tem um anime em q o protagonista é um hikikomori,o nome é mekakucity actors,o mangá é bem melhor,MUITO melhor,e se chama kagerou project,ou seja,o nome do anime e do mangá são diferentes :v

  17. Lorenlay

    soube deles antes de eu ter depressão e graças a Deus não mais , é pude viver isso na pele :/

  18. Daniran

    Prazer, sou um considerado “Hikikomori”. Não saio de casa à não ser para ir a escola, apenas isso. Sayônara 😀

  19. Ket

    Fui hikikomori/NEET por 3 anos … sofria muito bullying e passava por problemas familiares,então entrei na minha concha (em depressão),mas terminei o ensino médio…só que não tinha contato com ninguém e não saia do quarto,exceto para pegar comida na cozinha…no início conversava com “amigos” virtuais,mas depois me desiludi com eles também,então percebi que estava indo por um caminho perigoso…Bom,consegui sair da concha e hoje em dia voltei a estudar,estou na faculdade,mas ainda tenho um pouco de dificuldade em me relacionar com pessoas,embora eu esteja bem melhor agora =) Sério,cuidem da saúde mental galera o/

  20. Rafael

    Acreditem, não é facil…

  21. Junior

    Bom, tenho Sociofobia, e acho que um pouco de scopofobia(medo de olhar cara a cara, trocar olhar e tals), mas acho que o termo hikikomore também se encaixa, mas não é por sofrer bulliyng, nunca sofri, ainda bem.

  22. carol

    Honestamente, isso pra mim é só a definição do japão pra “sindrome do panico” e/ou “depressão”. Eu tenho ambos e é exatamente assim, faz 3 anos que SÓ saio de casa pra ir no médico. Ao ponto de que se eu recebo luz solar, dói fisicamente (eu vi o comentário abaixo então estou confirmando). Enfim, eu acho meio errado falar “hikikomori” como se fosse só um comportamento quando claramente é uma espécie de disturbio mental que precisa ser tratado. Fico triste pelo Japão ter tão pouco conhecimento nessa area a ponto de ignorar assim.

  23. Hikikomori não sei se deve ser relacionada a síndrome do pânico já que as pessoas fazem isso porque querem e não porque tem medo da sociedade ou pode até ser, não li o artigo todo mas pra mim a pessoa faz isso porque quer, eu não gosto de sair mas trabalho e faço faculdade normalmente, tenho dificuldade em me comunicar e o restante do que faço é em casa no computador mas me considero uma pessoa normal eu acho; é uma escolha minha.

  24. Emanuel Elias

    Então vc não é hikikomori; assim eu tbm seria. Hikikomori não sai pra nada, abandonam trabalho, estudo, qualquer sociabilidade.

  25. Vini Gers

    Acabei de descobrir que já fui um Hikikomori, a um tempo atrás eu não estudava, nem trabalhava e quase não saia de casa para nada, mas no meu caso era uma questão de maturidade e de me descobrir, eu era novo e muito imaturo, inseguro, tímido, fechado, inexperiente, não sabia o que queria da vida, e sempre tive uma sensibilidade muito grande com interações sociais(apesar de eu parecer durão), e também não tinha opinião formada, nem ambição ou sonhos, eu só fui começar a desenvolver essas coisas depois de mais velho, hoje em dia eu estudo, sei o que eu quero, sei que tipo de homem quero ser e que coisas eu quero conquistar na vida, hoje em dia tenho mais ambição, opinião formada e sou bem mais seguro, também não sou mais tímido como antes, apesar de ainda ser meio fechado(pelo menos só até me conhecer melhor). O isolamento como o amigo aqui debaixo disse é um caminho perigoso, isso leva a tristeza e depressão, e a vida não foi feita para ser vivida assim, devemos ser felizes, e a interação social é um fator vital pra isso, o ser humano necessita disso, quando eu era mais jovem eu cagava pra essas coisas, passava o dia no quarto e nem ligava pra nada, não tinha essa noção, hoje em dia eu valorizo muito mais laços de amizade e tento socializar mais, hoje em dia sinto uma certa falta de interação social que eu não tinha antigamente se eu passar muito tempo sem, minha sorte é que sempre tive uma boa família pra me apoiar e que me descobri ainda não tão tarde, e percebi que eu não estava sendo quem eu realmente gostaria de ser, então decidi mudar e ser outro alguém. Uma coisa que me ajudou também foi a ocupar minha mente com coisas produtivas, deixar a mente desocupada demais é sempre perigoso, disciplina e foco, um objetivo sólido, minha família e amigos é o que me mantêm no caminho, também pretendo casar e ter filhos futuramente, última coisa que quero é envelhecer sozinho sem formar família. Ficar sozinho nesse mundo cruel não é bom, a sociedade é dura, o mundo em geral é duro, se a pessoa não tiver mentalidade, foco, apoio, força de vontade, etc…, ela pode acabar entregando os pontos, se isolando e a situação pode ir se agravando, podendo levar até a um suicídio, que é quando a pessoa não tem mais prazer em viver, quando chega nesse ponto uns as vezes acabam achando a força necessária pra mudar dentro de si mesmas, já outros não tem tanta ”sorte” se é que a gente pode chamar assim.
    Ah, e uma coisa que agrava a situação muito mais é a tecnologia e internet, mais especificamente as redes sociais, elas aumentam a sensação de solidão, de modo que se a pessoa já sofre de algum problema de isolamento, essas redes sociais e toda essa tecnologia moderna onde as pessoas não se falam mais cara a cara pode piorar a situação drasticamente, onde pessoas aparentemente tem uma necessidade constante em chamar atenção e mostrar como suas vidas são ”perfeitas”(mesmo não sendo nem metade daquilo ali na vida real), mas mesmo assim isso pode fazer o Hikikomori se sentir inferiorizado, e ainda mais desmotivado a encarar a vida. Outro problema são sites pornôs que inibem aquela necessidade/vontade da pessoa sair e conhecer alguém, fazendo-a se isolar ainda mais. A internet é uma faca de dois gumes, tanto pode te beneficiar como pode te prejudicar, é algo que deve ser usado com consciência e sabedoria. Por isso que hoje em dia passo longe de internet se não for pra estudar ou pra ler artigos interessantes como esse que me acrescentam informação útil, pois me interesso pela cultura do Japão também.

  26. Salvador Victor

    Então termina de ler o artigo, ele diz justamente que a pessoa se isola por ter um bloqueio a socialidade

  27. Compadre Washington

    Que Hikikimori, que nada… O nome disso é falta de AXÉ!
    E tem cura! Lance ai logo nas primeiras horas da manhã um album das antigas do É o Tchan ou do Harmonia do Samba que você vai ver se o dia não transcorre muito mais leve…

    Vão falar que to de sacanagem, mas é verdade! Funciona mesmo 😀

    Ajaiô!

  28. Kira

    Há uma banda japonesa chamada “403 Forbiddena”, que canta a respeito desse assunto, em sua música “Hate”:

    https://www.youtube.com/watch?v=O2lOhFD3CVY

    Tradução (imprecisa):

    (Este quarto escuro com ar morto tem alguma essência. Não existem manhã, luz do dia, e noite
    Vagando em torno de um sonho, hoje eu irei a fundo no mundo dos jogos e animação novamente
    E eu me identifico com os heróis
    No mundo utópico, eu sou um descendente do herói que luta pela paz do mundo
    E um cara bonito, que é o centro de atração de 12 irmãs mais novas
    Não tenho qualquer impossibilidade e pode se tornar qualquer coisa
    Eu pensei assim)

    Dia após dia eu estou podre por dentro, assistindo a animação na sala escura
    Meus pais irritantes não me falam nada desde que eu os chutei
    Eles procuram o meu rosto com uma voz sedosa, mas eles estão com medo de mim no fundo de seus corações
    Isso me deixa muito irritado
    Seu comportamento me desagrada!
    Me deixem em paz!!

    A pequena quantidade de facilidade dada pelo cigarros é o meu tempo
    Só o conhecimento dos jogos tem sido acumulados
    Eu quero que seja assim. Esta é realmente a minha vida inteira? ó
    Por favor, diga-me alguém … que não posso voltar ao passado, mais uma vez?

    Para onde os meus amigos foram?
    Para onde foi o meu caminho para o futuro?
    Não sabendo a resposta, eu desperdiço o meu precioso tempo
    Onde foi que eu perdi o meu rumo?
    O que eu tenho enganado? Ó
    Eu não sei … Então, eu odeio tudo
    Tudo o que eu simplesmente faço é odiar

    (Mas como eu estou no mundo real?
    Abandonar a faculdade, engordar e ser um neet
    Esta é a realidade, não um sonho. É um fato inegável.)

    Dia após dia eu estou podre por dentro, jogando jogos da TV na sala escura
    Meus pais irritantes não interferiram em mim por qualquer coisa desde que eu os chutei
    Eles procuram o meu rosto com uma voz sedosa, mas eles estão com medo de mim no fundo de seus corações
    Isso me deixa muito irritado
    Seu comportamento me desagrada!
    Me deixem em paz!!

    (Não é que eu não posso fazer, mas eu não vou me
    Persuadir e eu estivera vivo antes
    Eu não faria o meu melhor
    Eu estava com medo de me notar e não poder obter muitos resultados
    Então eu os invejo pelo seu brilho
    Eu mantenho meu temperamento apenas por odiá-los e caluniá-los
    E eu posso me sentir melhor do que eles.)

    A pequena quantidade de facilidade dada pelos remédios é o meu tempo
    Apenas o conhecimento de animações tem sido acumulados
    Eu quero que seja assim. Não é esta a situação de um sonho? ó
    Por favor, diga-me Deus. Por favor, diga que isso é um sonho. Me acorde!

    No entanto, isto é verdade
    Portanto, você deve acordar agora
    E você deve continuar
    Você deve ir com seus próprios pés
    Que voz é essa que eu ouvi?
    O que posso fazer para a minha situação? ó
    Eu não sei … Então, eu odeio tudo
    Tudo o que eu simplesmente fazer é odiar

    Eu odeio tudo! Eu odeio tudo!
    Eu odeio toda a ternura!
    Eu odeio tudo! Eu odeio tudo!
    Eu odeio o futuro e o passado
    Eu odeio tudo! Eu odeio tudo!
    Mas o que eu realmente odeio é a mim mesmo!
    Eu me odeio! Eu me odeio!
    Eu me odeio, não pode fazer nada!

    Eu odeio tudo! (Eu me odeio!) Eu odeio tudo! (Eu me odeio!)
    Mas não vejo como fazer a partir de agora
    Eu odeio tudo! (Eu me odeio!) Eu odeio tudo! (Eu me odeio!)
    Então, eu nunca hesito
    Eu odeio tudo!!!
    Eu me odeio (e emergir) a partir desta odiosa (situação)
    Vamos lá meu eu quebre a parede!

    (A vida é ser um herói de jogos de RPG que tem um propósitos indecisos
    Não há confirmação entre os verdadeiros amigos e inimigos
    Mas, na situação, tem-se verdadeiros amigos e se encontra o próprio propósito da vida
    Todos o chamam de herói com veneração)

  29. Sou brasileiro, de Santa Catarina, sou descendente de açorianos, e fico muito triste em saber desta realidade que aflige os jovens e adultos japoneses, se lá eu morasse procuraria rapidamente dominar o idioma local e fazer amigos que se encontrão nesta situação, o povo japonês é lindo, esta no meu coração…

  30. Rebeca Fernandes

    Me identifiquei super em vários aspectos, até pq desenvolvi um quadro de depressão e ansiedade…mas tô lutando, não quero ser hikkomori hahah

  31. Mocchi

    sou um hikikomori pleno que trabalha de casa 😎👌

  32. Alice

    Já tive isso, odiava sair de casa , ver outras pessoas, alguns conhecidos vinham falar comigo dizendo que eu sumi eu dizia que estava me fazendo de morta kkkk, só saia de casa acompanhada e 1x no mês ou nem isso, meus pais não ligavam muito, já ouvi dizerem que vivo num mundo de fantasia, talvez eu viva mesmo. Sou mais feliz lá do que na vida real.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *